close button

publicidade
No Way Home

Spider Man No Way Home | Crítica

Depois de um longo ano com os fãs e a mídia teorizando além do absurdo para Spider Man: No Way Home, finalmente o filme da Marvel que encerra então o ciclo do Homem Aranha finalmente chegou entre nós. E que filme! Grandioso, ousado, com um roteiro muito bem escrito e com uma direção e fotografia maravilhosa, Homem Aranha Sem Volta pra Casa é o grande filme que fecha o ano da Marvel com maestria.

Embora todas as histórias cinematográficas do Homem-Aranha tenham começado com o herói no colégio, a visão de Tom Holland sobre o personagem é a que está mais firmemente plantada na experiência adolescente. Homem-Aranha de 2017 : De Volta pra Casa e Homem-Aranha de 2019 : Longe de Casa mostram um mundo onde alienígenas invadem e supersoldados travam guerra, filtrada pelos olhos de um garoto do Queens que é forte o suficiente para lutar ao lado dos heróis mais velhos, mas ainda não é sábio o suficiente para evitar determinadas bagunças. Daí os erros. 

E Homem-Aranha: Sem Volta Pra Casa traz Peter para sua maior bagunça até agora, tornando-se um filme fascinantemente confuso que tenta conciliar fan service com um final para os anos de colégio de Peter.

Roteiro

Para falar deste filme, priorizamos preservar a experiência do espectador, seguiremos então com cautela evitando spoilers!

No Way Home começa com Peter Parker em um inferno. Começa imediatamente após o final de Homem-Aranha: Longe de Casa , como J. Jonah Jameson (JK Simmons) – reimaginado aqui como um provocador no estilo InfoWars com um canal no YouTube – ambos enquadram o Homem-Aranha para o ataque Mysterio (Jake Gyllenhaal ) lançado em Londres e revela que Peter Parker é o garoto por trás da máscara.

Imediatamente corre com esse ímpeto, já que Peter Parker tem apenas alguns minutos para descobrir como viver a vida como o adolescente mais famoso do planeta. Há uma energia maravilhosamente maníaca nos momentos iniciais do No Way Home , quando Peter entra em pânico e tenta voltar para casa com segurança com sua namorada MJ (Zendaya) em meio a uma súbita explosão da mídia. 

Homem Aranha Sem Volta pra Casa
Zendaya e Tom Holland como MJ e Peter Parker para No Way Home – Créditos: Sony Pictures / Marvel Studios

Essa cena dá lugar a imagens claustrofóbicas no apartamento que ele divide com sua tia May (Marisa Tomei), enquanto ele tenta dar a notícia a ela antes que a notícia chegue à sala de estar.

A fama repentina tem todos os tipos de consequências para Peter e seus amigos, e a perda de privacidade deles, infelizmente, está bem baixa na lista de desvantagens. Graças a Jameson transmitindo os esforços de Mysterio para incriminar Peter, ele e seus amigos são vistos como potencialmente parte em um ataque terrorista, que os coloca sob o escrutínio da aplicação da lei e coloca em risco seu futuro. (Acontece que as faculdades não estão interessadas em inscrever supostos vigilantes e seus cúmplices.)

Sentindo que este é um preço muito alto para seus amigos pagarem, Peter pede ajuda ao Doutor Estranho (Benedict Cumberbatch), pedindo um feitiço para fazer o mundo esquecer que Peter é o Homem-Aranha. Quando o bom doutor concorda, Peter começa a questionar o ritual de maneiras que o fazem sair pela culatra, fraturando as fronteiras entre os universos e trazendo vilões de versões cinematográficas anteriores do Homem-Aranha para o MCU.

Entre eles estão Norman Osborn / Duende Verde (Willem Dafoe) e o Dr. Otto Octavius ​​(Alfred Molina) de Homem-Aranha e Homem-Aranha 2 de Sam Raimi , e Electro (Jamie Foxx) de O Espetacular Homem-Aranha 2 de Marc Webb . Naturalmente, a premissa de No Way Home deixa espaço para os espectadores especularem quem mais poderia se juntar a eles, mas os três itens de destaque no material promocional do filme também são fundamentais para o arco narrativo do filme.

Homem Aranha: Sem Volta Pra Casa
Benedict Cumberbatch como Doctor Stranger em Homem Aranha: Sem Volta Pra Casa – Créditos: Sony Pictures/ Marvel Studios

Vindo depois de uma abertura tão propulsora para o personagem, as contorções narrativas que o roteiro de No Way Home precisa para fazer sua mistura de monstro central acontecer tornam a história consideravelmente mais lenta. Mas, apesar da magia e do jargão multiversal, o ponto é bastante claro: Peter fez uma bagunça. Agora ele tem que limpar tudo e enviar esses bandidos de volta para o lugar de onde vieram.

O perigo de uma história como essa reside em como é fácil ceder ao espetáculo e deixar o filme ser levado pela emoção superficial das linhas da franquia sendo quebradas. No Way Home não se esquiva desse problema – você também pode chamá-lo de Homem-Aranha: Fan Service Ahoy! – mas os roteiristas Chris McKenna e Erik Sommers fazem um grande esforço para dar ao filme um coração pulsante, dando a Peter um objetivo mais humanístico. 

Vilões

Quando Peter descobre que esses vilões invasores foram arrancados de seus universos antes das batalhas fatais com seus respectivos Homens-Aranha, ele não está disposto a enviá-los de volta para a morte. Em vez disso, ele tenta encontrar uma maneira de “curá-los” de suas transformações de supervilões e enviá-los de volta com uma segunda chance de uma vida boa.

E isso é um aspecto que combia muito com o Homem-Aranha do MCU que é caracterizado por seu lado mais gentil, seu coração mais ingênuo e sua teimosia inabalável de sempre tentar fazer o que é certo, mesmo quando dizem que isso pode acabar piorando ainda mais as coisas ao invés de concertar.

Homem Aranha 3 ganha posters focado nos vilões do filme

Esses três vilões principais são bons contrapesos para seu altruísmo: cada um se encaixa em um arquétipo diferente. Max Dillon / Electro é um vigarista simples, motivado pela ganância. Otto Octavius ​​é o modelo brilhante rebaixado pela arrogância. E Norman Osborn? Com personalidades divididas, ele é tanto uma luz guia quanto o diabo. Dafoe, trazendo cada fibra de seu ser para o papel, torna-se uma face sorridente do mal que desafia Peter a pensar que agarrar-se a sua bússola moral é uma missão tola, inútil contra alguém que não se importa com a moral.

A história de No Way Home também é uma franquia flexível. Qual a melhor maneira de afirmar que o Homem-Aranha MCU é a versão definitiva do Homem-Aranha do que fazer com que ele não apenas derrote os maiores inimigos de seus predecessores, mas também os cure?

Peter Park de Tom Holland

No Way Home tem algumas surpresas visuais na manga para acompanhar as narrativas. O espetáculo baseado em efeitos usual que esperamos do MCU aumenta para a ocasião épica; uma briga entre Strange e Peter no caleidoscópico da Dimensão Espelhada de Doctor Strange é deslumbrante. 

Outras vezes, como no confronto inicial entre Octavius ​​e o Homem-Aranha no meio de um engarrafamento, a ação é meramente útil. Algumas das lutas são surpreendentemente físicas e brutais, no entanto, equilibrando a leveza dos efeitos gerados por computador com alguns slugfests que parecem muito reais, como Peter, desmascarado, briga em um corredor apertado ou se joga em um confronto que é praticamente apenas uma briga ao amanhecer.

O lado mais violento da ação de No Way Home vem em parte e parcela com o tom mais sombrio do filme, que coloca Peter em dificuldades tanto emocional quanto fisicamente. Tom Holland joga seu coração nisso, ancorado por um elenco de apoio menor do que o normal – efetivamente apenas seu melhor amigo Ned Leeds (Jacob Batalon), namorada MJ e tia May.

Spider Man: No Way Home
Tom Holland, Zendaya e Jacob Batalon para No Way Home – Créditos: Sony Pictures/ Marvel Studios

O Peter Parker “De Volta pra Casa” caiu muitas vezes e duramente, mas ele sempre fez isso com uma rede adjacente aos Vingadores para pegá-lo. Em No Way Home, essa rede é tirada dele e ele finalmente tem a oportunidade de tentar se manter por conta própria. Entusiasmo absoluto que o trouxe aqui.

E exatamente por não ter sua rede de apoio contante, ele precisa então crescer. É interessante como esse terceiro filme finalmente tira o Peter Park do âmbito escolar e adolescente para mostrar que então ele está virando um jovem-adulto. Ele não é mais apenas um adolescente tentando ser só “o amigo da vizinhança”, mas um super-herói com problemas adultos e uma vida adulta.

Estamos esperando por mais novidades sobre o universo do Homem-Aranha, e a Sony/Marvel tem planos para mais, e eu adoraria ver então o Peter Parker do MCU em uma pele mais adulta e tentar ver como ele está então lidando com as coisas.

No Way Home estreia dia 16 nos cinemas.

Postagens Relacionadas

Magnatas do Crime

Faz tempo que um filme sobre um império de crime, uma máfia ou uma família que opera uma…