close button

publicidade
Encanto

Encanto (2021) | Crítica

Encanto é uma linda e vibrante celebração à família, mágico como só a época da Renascença – inclusive uma bela homenagem aquela época – poderia ser, com toda os recursos dramáticos que a Pixar sempre emprega em seus filmes.

O 60º filme da Walt Disney Animation é o melhor da empresa nos últimos seis anos, desde os lançamentos consecutivos de ” Zootopia ” e ” Moana ” em 2015. (Coincidentemente, dois de seus codiretores, Byron Howard e Jared Bush, também trabalharam em “Zootopia.” Obviamente, há alguma magia nesse emparelhamento.)

A história segue a família Madrigal, que foi abençoada com magia após uma grande tragédia. Sua casa grande e colorida, carinhosamente chamada de La Casita, parece funcionar de acordo com a mesma magia encantadora que encantou os objetos em “A Bela e a Fera “, de 1991 . As venezianas balançam, os ladrilhos dançam e os itens se movem magicamente pela cozinha.

Além da casa mágica, todas as crianças Madrigal ganham um dom mágico quando completam 5 anos, como superforça ou a habilidade de curar. Por sua vez, esses presentes são usados ​​para ajudar a fortalecer e servir a sua comunidade.

Todo Madrigal tem um papel a cumprir, exceto a adolescente Maribel (Stephanie Beatriz), que nunca recebeu um presente mágico quando atingiu a maioridade.

Embora a família de Maribel constantemente diga a ela que ela é tão especial quanto todos os outros, é muito difícil de acreditar quando você está cercado por uma família de pessoas que são constantemente admiradas e respeitadas por todas as suas contribuições incríveis para sua aldeia.

Também não ajuda o fato de Maribel se sentir em desacordo com sua “irmã perfeita” Isabela (Diane Guerrero), que parece uma princesa Disney perfeita pode criar flores à vontade.

Enquanto Maribel tenta chegar a um acordo com a aceitação de si mesma, uma força misteriosa ameaça tirar a magia da família. Maribel se encarrega de encontrar a raiz do problema e salvar a magia da família antes que ela desapareça.

A representividade de Encanto

Em primeiro lugar, ganhe um para a Walt Disney Animation por lançar dois lançamentos em um ano que celebram diferentes histórias de diferentes culturas! Com a fantástica Raya e o Último Dragão no início deste ano, e agora o encantador Encanto, é revigorante ver que a Casa do Rato tem sido mais proativa ao contar histórias que não estão apenas enraizadas em contos de fadas da Europa Ocidental. Acho que a Moana realmente abriu as portas para isso, e isso me agrada e muito.

Agora, aqui está a parte complicada. Uma coisa é colocar um rótulo em algo e dar tapinhas nas costas por “estar acordado”. Mas para honrar verdadeiramente a cultura que você está representando, você realmente precisa se esforçar para torná-la boa. E tenho o prazer de dizer, o Encanto é muito bom. É um filme que não só homenageia a cultura colombiana, mas o mais importante, a transcende com uma universalidade que se aplica a famílias de qualquer cultura. A animação é linda. Os personagens são reais. A música de Lin-Manuel Miranda é cativante (e me fez chorar horrores). E está repleto de temas universais aplicáveis ​​a todas as famílias.

Uma das melhores coisas que “Encanto” faz é entregar uma família latina que encarna autenticamente essa experiência vivida. Cada membro da família não tem um tom de marrom. A família Madrigal está repleta de latinos de todos os tons, incluindo latinos de pele mais escura, e cada tom intermediário reflete com precisão como uma família latina extensa pode ser hoje.

O espetáculo de Encanto

A força do Encanto , assim como de Viva a Vida é uma Festa , vem da ideia de família. Na verdade, no que diz respeito a Disney Animation Studios, esta é a família mais realista que eles colocaram na tela. Cada personagem, desde a própria Mirabel, até a sua Abuela, e as irmãs Luisa e Isabela estão lidando com emoções reais que as pessoas sentem o tempo todo. E os problemas que eles têm, desde suas inseguranças até o cansaço de colocar fachadas, são tão fáceis de se identificar. Nenhuma família é perfeita, tenha ou não poderes. E a maneira tocante do filme de abordar esse tema, bem como o tema de aceitar-se por tudo o que você é, certamente trará lágrimas de compreensão e identificação aos olhos de todos.

Mirabel como personagem é incrivelmente simpática. Dublada pela estrela de Brooklyn Nine-Nine , Stephanie Beatriz, há um fogo e coragem na performance vocal de Beatriz. Beatriz tem uma música no meio do filme, chamada “Waiting on a Miracle”, que transpira simpatia e conflito interno pela situação dela, que imediatamente dá vontade de pular na tela e abraçá-la. Mas ela não está sozinha. 

Diane Guerrero e Jessica Darrow, de Doom Patrol , que dublam as irmãs Isabela e Luisa do Madrigal, também têm atuações incríveis. Quem diria que Crazy Jane teria uma voz adorável para cantar. E as habilidades de rap de Darrow em seu número cativante “Surface Pressure” são dignas de um Hamilton. Mas, de longe, uma das atuações mais emocionantes do filme pertence a Tio Bruno, de John Leguizamo. Bruno é um personagem complexo que tem muito em comum com Mirabel, mas possui um coração surpreendentemente grande. É uma atuação engraçada, peculiar e sincera de Leguizamo, e um personagem de que você gosta instantaneamente (embora não deva falar sobre ele).

A história original também deve ser elogiada. Estou adorando a ideia de a Disney criar esses contos originais, de Zootopia a Raya , e a criatividade por trás da narrativa do Encanto é simplesmente mágica. Embora tenhamos tocado o coração da história, a originalidade por trás da casa mágica, a vela mágica e as histórias pessoais de alguns desses personagens (há uma cena particularmente eficaz com música perto do final) é surpreendentemente refrescante, madura e imaginativo. 

Parece que foram necessários seis indivíduos para inventar essa história original, incluindo os diretores Jared Bush e Byron Howard, e também Miranda, e isso mostra. É a maneira certa de criar sua própria mitologia original, e isso é algo que precisa ser elogiado. Um filme que realmente relembra os tempos da Renascença, o que faz muito sentido, já que é o periodo que realmente definiu o que conhecemos da Disney hoje.

Falando em Miranda, as músicas que ele criou para o filme são incrível. Não apenas cada música é completamente cativante e memorável, mas a maneira como ele mistura e entrelaça repetições de todas elas juntas às vezes (um presente que ele demonstrou na maioria de seus shows da Broadway) mostra como ele é realmente o mestre de seu ofício, comandando batidas e ritmos como o compositor / escritor genial que ele é. Não há um único show que seja mais fraco que outro, e isso pra mim é perfeito. Todas as músicas são incrível e sensacional.

Mas confesso que assim como todos filmes que tem seu grande destaque, como Rei Leão tem “Ciclo da Vida” ou “Hakuna Matata“, A Bela e a Fera tem “Beauty and the Beast“, ou Frozen que tem “Let It Go” e Moana com “How Far I Go” – inclusive também escrita por Miranda, para mim o grande destaque em Encanto vai para “Waiting on a Miracle“. Talvez pela letra ter mexido muito comigo, mas com certeza é a mais bela entre todas.

Não existe um vilão

Uma das coisas mais impressionantes de “Encanto” é que ele não tem um vilão tangível, uma raridade em um filme da Disney. Em sua essência, o filme, concentra-se nas pressões de viver de acordo com expectativas irrealistas e ideais familiares. O que acontece quando essas expectativas são muito altas? O que acontece quando você não fala e cede sob o peso da pressão?

Embora a família Madrigal pareça idílica para os aldeões de fora, uma vez que as camadas são retiradas, você lentamente percebe que há rachaduras na base do que mantém a família mágica unida. Isso varia de uma ovelha negra da família chamada Bruno, a quem a família se recusa a reconhecer a outros membros da família que se sentem sob constante pressão para serem perfeitos.

Pois é, Encanto vai fundo (traga alguns – muitos!- lenços), mas não se preocupe. Não é muito profundo para crianças. A maioria dessas coisas provavelmente vai passar por cima de suas cabeças, pois eles estarão muito ocupados imersos em números musicais cativantes.

Os detalhes tecnicos de Encanto

A Disney, mais uma vez, subiu um degrau no que diz respeito à atenção aos detalhes em sua animação. Ratos são mostrados durante alguns momentos em “Encanto”. Sempre que a câmera focaliza seus rostos pequenos, é como se você estivesse olhando para algo real. Se os ratos fossem fofos, claro.

Quando Maribel se encontra coberto de areia e está removendo pequenos grãos de seu cabelo, você está convencido de que está olhando para o verdadeiro negócio.

Isso é uma prova do trabalho da Disney (e da Pixar) em aperfeiçoar e testar areia em alguns de seus curtas ao longo dos anos, de “Piper” de 2016 a “Far From the Tree” deste ano, um curta agradável com uma família de guaxinins que foi exibido antes de “Encanto”.

Um nova era de Clássicos

É importante notar que “Encanto” leva tempo para contar uma história não apenas sobre um indivíduo, mas também sobre uma família multigeracional. Se “Encanto” fosse feito há 10 ou 20 anos, Isabela, a filha “perfeita” que ansiava por ser vista como algo mais, provavelmente teria sido a protagonista de fato e o enredo principal. Ela se encaixa no óbvio arquétipo da Princesa Disney, um ingrediente necessário para a maioria dos sucessos anteriores da Disney.

Nos últimos anos, a Disney se afastou de narrativas estereotipadas de princesas para se concentrar em histórias e personagens que refletem melhor o mundo ao nosso redor. E eles são tão bons, senão melhores do que alguns dos contos de princesas mais velhas. É claro que isso é sempre pensando nos contextos históricos. Naquela época fazia sentido ter princesas como Aurora, Ariel ou Cinderela. São contextos em que elas eram reflexos sociais. Hoje termos princesas como a Elza, Moana, Raya e agora Mirabel são espelho da sociedade atual.

Muito disso certamente tem a ver com a troca da guarda da Disney nos últimos anos. Desde que Jennifer Lee dirigiu “Frozen” e mais tarde foi nomeada diretora de criação da Walt Disney Animation em junho de 2018 , os espectadores assistiram a um tipo diferente de protagonista da Disney, que coloca a família e os amigos à frente de um interesse amoroso (Frozen e Frozen II) e quem tem laços comunitários mais profundos, como em Raya e o Último Dragão. Elas são peculiares, corajosas e identificáveis. Maribel segue essa tendência.

Depois do triunfo da Disney em “Raya” deste ano e, agora, em “Encanto”, podemos estar no início de uma nova era de clássicos da Disney. Certamente estamos em uma nova era de como podemos ser parece uma princesa heroína da Disney.

Encanto

Encanto
5 5 0 1
Encanto conta a história dos Madrigal, uma família extraordinária que vive escondida nas montanhas da Colômbia, em uma casa mágica, em uma cidade vibrante, em um lugar maravilhoso conhecido como um Encanto. A magia deste Encanto abençoou todos os meninos e meninas da família com um dom único, desde superforça até o poder de curar. Todos, exceto Mirabel. Mas, quando ela descobre que a magia que cerca o Encanto está em perigo, Mirabel decide que ela, a única Madrigal sem poderes mágicos, pode ser a última esperança de sua família excepcional
Encanto conta a história dos Madrigal, uma família extraordinária que vive escondida nas montanhas da Colômbia, em uma casa mágica, em uma cidade vibrante, em um lugar maravilhoso conhecido como um Encanto. A magia deste Encanto abençoou todos os meninos e meninas da família com um dom único, desde superforça até o poder de curar. Todos, exceto Mirabel. Mas, quando ela descobre que a magia que cerca o Encanto está em perigo, Mirabel decide que ela, a única Madrigal sem poderes mágicos, pode ser a última esperança de sua família excepcional
5/5
Total Score
Postagens Relacionadas