close button

publicidade

Oppo pode passar produzir processadores para seus celulares

Oppo
A Oppo deve estar caminhando pela mesma jornada de Apple e Google, passando a fabricar seus próprios processadores. Mas nem tudo vai mudar.

Muitas empresas que fabricam celulares agora também estão passando a produzir seus produzir processadores e a Oppo deve ser a próxima a ir neste caminho. Permitindo um melhor uso do software e recursos de fotografia, já que a empresa trabalha tanto no produto de forma direta, quanto no processador, isso é um hábito de grandes companhias como Apple, Xiaomi e Google.

Informações informam que a Oppo já está trabalhando em seus próprios processadores para smartphones topo de linha, onde o foco é competir com os líderes de mercado. Pode ser que você não tenha ouvido falar muito sobre a empresa, mas saiba que no ranking mundial de vendas de celulares, a mesma se encontra em quarto lugar. Ao mesmo tempo, a Oppo é a empresa que mais vende celulares na China. Entenda os próximos passos da fabricante.

Oppo pode estar desenvolvendo processadores para seus celulares topo de linha

Sendo uma das empresas que mais vendem em todo o Mundo, a Oppo pode estar indo no mesmo caminho de outras grandes companhias. Isso porque de acordo com dados de bastidores, a mesma está caminhando para passar a fabricar seus próprios processadores, onde isso entraria nos celulares que são considerados topo de linha e contam com as melhores tecnologias disponíveis.

Atualmente, todos os celulares da Oppo contam com chipsets da Qualcomm e Mediatek, estas que ainda dominam este mercado. Caso seja verdade, a marca chinesa faria parte do conglomerado de fabricantes de celulares que já desenvolvem seus processadores, como Apple, Xiaomi, Samsung e até mesmo Google.

A manufatura ficaria por conta da Taiwan Semiconductor Manufacturing Co, que já atende outras companhias como Apple e Xiaomi. Mas todo o planejamento ainda ficaria por conta da Oppo. Seria como se a TSMC tivesse uma nova onda de fabricantes.

Como um processador próprio pode ajudar uma empresa a entregar uma maior qualidade em seus produtos?

Assim que uma empresa passa a trabalhar em processadores próprios para seus celulares, a mesma passa a ter um maior controle e liberdade para trabalhar em funções exclusivas. Olhando para empresas que já fazem isso, como Apple e Google, fica simples entender porque os aparelhos com processadores próprios são mais potentes: a empresa então consegue atingir um melhor desempenho gráfico, de performance e até mesmo entregar funcionalidades exclusivas.

Então, é como se a Oppo participasse de todos os processos, pensando 100% na experiência do cliente que usará o celular em seu dia a dia. Além de trabalhar no software, que por si só já pode entregar funções interessantes, agora a empresa passa a fazer com que tanto o processador quanto o SO “conversem” sem problemas.

Além disso, também é possível oferecer uma maior segurança e recursos que não foram atingidos por outras empresas. É como se na prática, a fabricante tivesse uma autonomia própria para “ensinar” o que quiser para os celulares. Se sabe que a Oppo estaria trabalhando em um processador com arquitetura de 3 nanômetros, onde mais dados não foram citados.

Parceria com Qualcomm e Mediatek não seria deixado de lado pela empresa

Como citado no começo da matéria a Oppo não abandonaria seus parceiros, mesmo que passasse a fabricar seus próprios processadores. Isso significa que celulares intermediários e de entrada ainda teriam chipsets da linha Snapdragon e Mediatek. Tal ação da Oppo é mais focada em manter a liderança no mercado chinês e ainda crescer no mercado mundial.

Entretanto, tal informação ainda é citada como grande rumor e a Oppo ainda não chegou a confirmar isso. Porém, ao mesmo tempo, se sabe que recentemente, a empresa chinesa já chegou a contratar profissionais do mercado de processadores, então faz sentido que a mesma já está atuando para lançar seus próprios chipsets.

Veja também

Sabia que além de celulares, a Oppo também fabrica fones de ouvido? Confira dois deles:

Fonte: Nikkei Asia

Postagens Relacionadas