close button

publicidade

He-man e os Mestres do Universo

Parece que a parceria entre Mattel e Netflix está longe de acabar, e mesmo com a sequência Mestres do Universo: Salvando Eternia ter dividido opiniões entre a crítica especializada, que adorou a nova história, e os fãs da animação clássica, que odiaram a abordagem que tirava He-Man do holofote, a nova série animada He-man e os Mestres do Universo resgata a criança interior, com uma abordagem completamente nova e diferente da que conhecemos nos mais de 30 anos da franquia, voltada para um público mais jovem nos moldes das animações dos anos 2000.

Em He-man e os Mestres do Universo, seguimos as aventuras de Adam (voz de Yuri Lowenthal), um jovem órfão que não se lembra de seu passado, e vive numa tribo de tigres com sua amiga Krass (voz de Judy Alice Lee) e o tigre sem garras Pacato (voz de David Kaye), quando a bruxa de rua Teela (voz de Kimberly Brooks) surge com a Espada do Poder e revela seu destino como o campeão He-man. Mas todo seu destino e de Eternia quando Esqueleto (voz de Ben Diskin) surge atrás do poder da Espada e de Greyskull.

A nova série conta com a mesma produção de Mestres do Universo: Salvando Eternia, e acaba que nem parece já que o direcionamento desta nova série segue um caminho totalmente diferente. Enquanto que a sequência que estreou em agosto trazia um teor mais dramático – com momentos de comédia aqui e acolá – mas mantida todos os elementos já conhecidos da série em seu cerne, e dava continuação a história clássica. Já essa nova série reintroduz todos os conceitos, personagens e mitologia sob uma nova perspectiva, que ao meu ver, é o grande atrativo da série.

Aqui, a tecnologia parece reinar sob Eternia, enquanto a magia é escassa e temida por muitos. E sob essa perspectiva, a magia que retorna com os poderes de Greyskull sendo evocado se contrapõe a tecnologia, e traz uma sensação boa de se assemelhar com cenários futuristas, como Star Wars, principalmente as séries animadas mais recentes, como Rebels e The Bad Batch. Além disso, a série lembra também muito a franquia Power Rangers, seja pela momento de morfagem dos heróis, seja as piadas mais infantis e situações mais abobalhada, mas é um refresco narrativo, principalmente para seu público alvo. Essa referência visual nos leva a uma experiência nova para a história que já é conhecida.

Outro ponto que a série se destaca é o background dos personagens. Conhecemos todos eles, mas eles contam com novas abordagens. Pacato não é um tigre de estimação medroso; Teela não é uma guerreira do castelo; Mentor não é chefe da guarda do reino; e até Esqueleto, ganha um background com mais detalhes, que se conectam com Adam, que também ganha uma nova perspectiva e história sob essa nova abordagem, que se torna um grande atrativo para o público.

Porém, essa série pode não ser àquilo que os fãs mais antigos estejam esperando: o teor da animação se recai numa narrativa bem infantil. Da mesma forma que a série traz de volta os moldes de animações infantis dos anos 2000, toda as piadas, diálogos, e ações se assemelham com várias animações da extinta (e saudosa) TV Globinho, e das animações em 3D do Bom Dia & Cia. Até parece que essa animação é o resgate destas animações para um novo público infanto-juvenil, e também para despertar no público mais saudosista, aquele tempo bom, de passar as manhãs assistindo animações, e não se preocupar com mais nada.

He-man e os Mestres do Universo pode não ser àquilo que os fãs queria da franquia, mas é uma história que nos transporta para o auge dos anos 2000, com animações matutinas que crianças que hoje tem seus 20 e muitos anos ou 30 e poucos anos vão se lembrar, além de dar uma perspectiva nova a história já conhecida, com novas origens, abordagens novas de personagem e história, entregando uma aventura nova, mas conhecida, que introduz a um novo público jovem essa história e essa franquia que está se expandindo.

He-man e os Mestres do Universo

He-man e os Mestres do Universo
4 5 0 1
Em Eternia, primeiro planeta do universo, o demoníaco Esqueleto ameaça tomar o poder. Com seu exército do mal, Esqueleto está determinado a capturar os reinos de Eternia. O principal objetivo dele é dominar o Castelo de Grayskull, um misterioso forte que contém o maior poder do universo. Agora, He-Man e sua turma precisam impedir os planos de Esqueleto e recuperar a paz. Com a ajuda das Armas da Força, os defensores do universo, comandados por He-Man, e o lado sombrio, comandado por Esqueleto, lutam pelo controle de Eternia, do Castelo de Grayskull e do destino do universo todo. No final dessa batalha, quem será o Mestre do Universo?
Em Eternia, primeiro planeta do universo, o demoníaco Esqueleto ameaça tomar o poder. Com seu exército do mal, Esqueleto está determinado a capturar os reinos de Eternia. O principal objetivo dele é dominar o Castelo de Grayskull, um misterioso forte que contém o maior poder do universo. Agora, He-Man e sua turma precisam impedir os planos de Esqueleto e recuperar a paz. Com a ajuda das Armas da Força, os defensores do universo, comandados por He-Man, e o lado sombrio, comandado por Esqueleto, lutam pelo controle de Eternia, do Castelo de Grayskull e do destino do universo todo. No final dessa batalha, quem será o Mestre do Universo?
4/5
Total Score
Postagens Relacionadas