close button

publicidade

Trilogia Rua do Medo

Já comentei algumas vezes, principalmente nos filmes de terror lançados nos anos anteriores, quando podíamos ir ao cinema, que este gênero passa de tempos em tempos por altos e baixos. Quando somos abençoados com obras como Halloween, Pânico e Invocação do Mal, a indústria acaba exagerando na mão, e extrapolando e saturando o mesmo formato por algum tempo. A previsão é que estamos caminho para um momento de baixa após o terceiro Invocação, e poucas obras de terror atuais conseguem surpreender ou se tornarem memoráveis, mas neste declínio, a Netflix lançou Rua do Medo, primeira trilogia da plataforma que teve uma distribuição diferenciada: cada um dos filmes estreou na semana subsequente do outro, transformando assim um evento de terror dentro da plataforma. E nesta sexta a última parte chega para concluir essa saga, e mostrar que a Netflix está pronta para transformar suas produções – principalmente as seriadas – em hypes semanais.

Em Rua do Medo, conhecemos os moradores de Shadyside, um cidade atormentada, geração por geração, por assassinatos macabros. Quando um grupo de adolescentes acaba se tornando alvo do assassino da vez, eles descobrem que algo sobrenatural está envolvido nos assassinos que remontam desde 1666, quando sua cidade e a sua cidade gêmea, Sunnyville foram construídas. Uma maldição de uma bruxa alimentada pelos assassinatos assombra os shadysiders.

Como já mencionei nas três críticas de cada um dos filmes – Confira aqui 1994, 1978 e 1666 – a trilogia soube aproveitar de arquétipos e tropos narrativos dos filmes mais bem conceituados do gênero e se alimentou desta construção, quase que despretensiosamente, e se tornou um grande evento que pode quebrar o ciclo de altos e baixos do terror. Apesar de apenas explorar dois estilos do gênero de terror – slasher e de colônia – os filmes contam com muitos detalhes e elementos que podem ser explorados futuramente, mas que na sua própria construção soube aproveitar ao máximo sem ser uma cópia.

O que pode saturar muito os gênero de terror, principalmente de acontece aquele boom, é a quantidade enorme de reutilização dos mesmos elementos, e até da mesma história, com a troca apenas de nome de personagens e cenário, e a quantidade de vezes que se cópia do original. Em Rua do Medo por mais que sejam óbvias duas inspirações, suas referências, ela não se apoia nela para desenvolver os personagens e a história, mas cria algo original e novo, além de conseguir manter a essência do terror.

Mas a trilogia pode ser o primeiro passo para a Netflix investir neste formato: lançamentos semanais, com engajamento dos telespectadores. A história é simples, mas ela vai soltando pouco a pouco alguns elementos e informações importantes para a conclusão, e isso é o que os fãs de criar teorias gostam para germinar uma floresta de suposições. As analogias de jardinagem de lado, Rua do Medo conseguiu alcançar seu objetivo – ser o foco de conversas sobre o que estava acontecendo na história – e escalonou a tensão, o medo e a seriedade da história, numa viagem ao passado.

Rua do Medo é uma das melhores produções do gênero de terror deste ano, e sem sombra de dúvidas deixará saudade, ainda mais pela quantidade de assassinos interessantes que apenas conhecemos por cima, como Ruby Lane, o Assassino Tímido, o Leiteiro, a Criança entre outros, que suas origens podem ser uma porta para spin-off ou uma nova trilogia, ou saga de origem destes personagens.

Rua do Medo

Rua do Medo
5 5 0 1
Há anos os habitantes de Shadyside vivem com a tragédia de assassinos em série espalharem o terror, alimentando a lenda da maldição de Sarah Fier, uma bruxa do início da cidade com sua cidade gêmea, Sunnyville, que amaldiçoou seus habitantes para transformar pessoas de bom coração em assassinos sanguinários. Mas quando um grupo de jovens se torna alvo destes assassinos do passado que voltam a vida, eles precisam descobrir como parar a maldição antes que ela continue matando shadysiders.
Há anos os habitantes de Shadyside vivem com a tragédia de assassinos em série espalharem o terror, alimentando a lenda da maldição de Sarah Fier, uma bruxa do início da cidade com sua cidade gêmea, Sunnyville, que amaldiçoou seus habitantes para transformar pessoas de bom coração em assassinos sanguinários. Mas quando um grupo de jovens se torna alvo destes assassinos do passado que voltam a vida, eles precisam descobrir como parar a maldição antes que ela continue matando shadysiders.
5/5
Total Score
Postagens Relacionadas
Leia Mais

Fate: A Saga Winx

Winx quando damos nossas mãos nos tornamos poderosas, porque juntas somos in-ven-cí-veis! Para aqueles que cresceram no final…