close button

publicidade
Interestelar - análise geek antenado

Especial Christopher Nolan | Interestelar (2014)

Sinceramente, eu nem sei porque demorei tanto para assistir esse filme. Quer dizer, ele é tão incrível! Até então eu, eu sempre dizia que “A Origem” era o melhor filme do Nolan, porque sinceramente, gente, Leo DiCaprio arrasa naquele filme, mas então eu vi Interestelar, e descobri que talvez eu tenha um novo filme favorito do diretor.

Eu sempre tive uma dificuldade de entender os conceitos dos filmes do Nolan; para conseguir compreender A Origem, eu tive que assistir umas seis vezes no mínimo, e ainda buscar uns vídeos explicativos. Minha volta ao cinema, depois de flexibilizarem as entradas no cinema, foi para ver Tenet, o filme mais recente do Nolan, e eu precisei assistir duas vezes para pegar as nuances, e eu aposto que se eu ver mais uma vez vou captar outros detalhes que passaram. A verdade é que todos os conceitos dos filmes do Nolan, são sempre muito complexo para aqueles que são leigos em relação a ciência. É algo que eu já aceitei, e sinceramente, tento curtir mais o lado emocional do roteiro do que as questões de física que eu não entendo.

O lado bom de Interestelar, é que para esse filme – apesar de nunca tê-lo assistido realmente – já vi muitas explicações sobre o conceito do filme, então ficou muito mais fácil de compreendê-lo. As questões da relatividade do tempo, a passagem pelo buraco negro, ou a explicação sobre a gravidade não me deixaram tão perdida assim.

Mas antes de entramos nos conceitos mais emotivos, vamos a alguns fatos importantes sobre o filme que é: Toda a parte científica é o mais próximo da realidade possível devivo ao professor Prof. Kip Thorne, do California Institute of Technology. O filme é, na verdade, baseado no trabalho e na imaginação do Prof. Thorne. Ele também foi o consultor científico do filme e, como tal, o filme contém uma representação científica quase perfeita e autêntica de vários fenômenos.

A mistura de física e ficção com uma forte mistura de narrativa requintada, torna este um conto emocionante para qualquer física ou qualquer amante da ciência. Conceitos teóricos como buracos de minhoca, quinta dimensão, mudança no passado ou no futuro são mostrados em detalhes realistas no filme. Devido ao fato de um físico de verdade ser consultor para o filme, este é um dos filmes científicos mais reais de todos os tempos. Embora, certamente haverá algumas exceções e licenças criativas tomadas.

E vamos agora aos lados mais emotivos, começando então pela atuação; Eu sempre soube que Matthew McConaughey era um ator expetacular. Ninguém discorda disso, mas aqui em Interestelar, ele se sobressaiu e para mim é sua melhor interpretação. Ele é tão autentico, e centrado com um personagem que está passando por milhares de turbulência, mas ainda precisa se manter no controle e ele passa muito bem esses sentimentos.

Mackenzie Foy é tudo pra mim desde Crepúsculo, e ver ela se desenvolvendo como atriz é lindo demais. Aquele rostinho de decepção quando vê que o pai dela irá deixa-la para desbravar o universo é perfeito. E sim, me arrancou uma lágrima. Jessica Chastain que interpreta Murph mais velha também me impressionou muito, como uma cientista que mesmo com raiva continuava lutando pelo sonho do pai, e acreditando que ele voltaria para ela.

Anne Hathaway e sua personagem, Brandt pra mim é a mais complexa. Ela é a única mulher do grupo, e eu gosto muito dela porque aqui o roteiro equilibra bem a racionalidade da mulher cientista, com o emocional da mulher apaixonada. Em determinado momento, quando se faz necessário escolher apenas um de dois possíveis destinos, Brand aponta para aquele que o seu coração parece indicar. “É preciso acreditar no Amor, pois essa força não pode ser apenas um capricho emocional”, argumenta. Pode-se falar de estrelas e luas, galáxias e buracos negros, mas não se engane: o que importa, num nível muito mais profundo, é o que o Homem carrega dentro de si. E a personagem de Hathaway é quem nos lembra desse detalhe importante.

De onde viemos? Para onde vamos? Onde é nosso lugar? Essas são perguntas que se fosse em qualquer outro filme poderia ser tratada de forma piegas, mas em Interestelar, Nolan, pega tudo isso, e consegue transmitir de uma maneira correta, com a carga certa para emocionar, e sem fazer isso de forma forçada. Nos momentos certos, ele descarrega essa emoção, mas também sabe o momento de contê-la para dar lugar a ação. É um filme incrível. Não é atoa que virou um marco para o cinema!

Interestelar está disponível no HBO Max.

Interestelar

Interestelar
5 5 0 1
Quando a Terra se tornar inabitável no futuro, um fazendeiro e ex-piloto da NASA, Joseph Cooper, é encarregado de pilotar uma espaçonave, junto com uma equipe de pesquisadores, para encontrar um novo planeta para os humanos.
Quando a Terra se tornar inabitável no futuro, um fazendeiro e ex-piloto da NASA, Joseph Cooper, é encarregado de pilotar uma espaçonave, junto com uma equipe de pesquisadores, para encontrar um novo planeta para os humanos.
5/5
Total Score
Postagens Relacionadas
Leia Mais

Hamilton

Farei algo que jamais me imaginei fazendo: analisando um musical. Por quê? Simples, não sou muito chegado em…