close button

PUBLICIDADE

Aqueles Que Me Desejam a Morte - Critica

Aqueles Que Me Desejam a Morte

Baseado no livro de Michael Koryta, e com roteiro do próprio, Aqueles Que Me Desejam a Morte, é um novo filme de suspense da Warner, que desbanca um elenco incrível, com uma história que te prende, mas que te entrega um final frustrante de certa forma.

Hannah Faber (Angelina Jolie) é um mulher que bebe muito, uma daquelas bombeiras audaciosas que largam helicópteros no meio de florestas em chamas. O trabalho atrai um certo tipo de pessoa, e Hannah, pela aparência dela quando a conhecemos em “Aqueles Que Me Desejam a Morte“, é esse tipo de pessoa. Ela tem a reputação de ser mais louca que o resto deles, tão “louca” que foi reprovada em sua última avaliação psicológica após uma falha catastrófica de julgamento durante um incêndio que resultou na morte de algumas crianças.

Nesse ínterim, ela foi rebaixada (como ela vê) para uma das torres de incêndio, parando como um posto avançado solitário no meio da floresta ao longo da cordilheira Continental, onde seu trabalho é monitorar o tempo e ficar de vigia. Ela está abalada por estresse pós-traumático, mas ela quer voltar à ação. Koryta dá a ela mais do que uma oportunidade de se provar.

Mas antes de Hanna, o evento que move “Aqueles Que Me Desejam a Morte” ocorre longe da floresta em questão. Um “contador forense” chamado Owen (Jake Weber) foge da Flórida com seu filho, Connor (Finn Little), quando percebe que “bandidos” querem matá-lo por descobrir finanças políticas duvidosas em seu trabalho para o promotor público. Uma dupla mais sangue-frio do que essa dupla de assassinos bem preparados mal pode ser imaginada. 

Interpretado por Aidan Gillen (Game Of Thrones) e Nicholas Hoult (Mad Max), eles são uma força tão implacável e desumana quanto o incêndio florestal que eles começam deliberadamente por razões que não são claras ao extremo. Eles descobrem (de alguma forma) que Owen provavelmente está indo para a região selvagem de Montana para se esconder com seu cunhado, e eles o perseguem. Durante a viagem vertiginosa, o jovem Connor acaba no meio da floresta de Montana, assustado e sozinho, desesperado para encontrar ajuda. Ele o faz, quando se depara com Hannah, isolada na torre de incêndio no meio do nada.

O relacionamento que se desenvolve entre Hannah e a criança tem muito potencial. Ela acha que pode ter uma chance de redenção: Connor tem mais ou menos a idade dos meninos que morreram no incêndio. E esse propósito ajuda ela a lidar com seu trauma. Além de Hanna e Connor, há outros personagens como o cunhado de Owen, Ethan (Jon Bernthal de The Walking Dead) e a esposa grávida de Ethan, Allison (Medina Senghore), perguntando-se por que Owen e Connor não apareceram. Ethan e Allison são um par fascinante, e sua dinâmica é tão intrigante que rivaliza com o que está acontecendo com Hannah e Connor na floresta. Eles poderiam levar seu próprio filme, esses dois. Allison “dirige uma escola de sobrevivência”, mas essa informação vem em uma linha descartável – tão rápido que você pode perdê-la. É uma informação importante, que será útil mais tarde. 

Existem várias sequências de ação eficazes, a melhor mostrando a maneira aterrorizante como os incêndios realmente correm e ganham velocidade, especialmente em encostas de terra, fazendo Hannah e Connor correrem para salvar suas vidas. Mas eu tenho um adendo sobre isso… A floresta me parecia muito verde e úmida para ter pego fogo tão facilmente e se espalhado tão rapidamente, mas ai fiz uma pesquisa e realmente descobri que realmente o fogo pode se espalhar sim rapidamente, principalmente em áreas com ventos muito fortes.

Houve um período muito interessante do início a meados dos anos 2000, quando Angelina Jolie alternou entre dramas sérios e filmes de ação, atraindo o maior público e dominando os gêneros cruzados da indústria de uma maneira que poucas atrizes conseguiram. Jolie pode ser uma figura divisora, como a maioria dos individualistas e, portanto, é sempre interessante ver os projetos para os quais ela empresta seus talentos.

Finn Little concede ao filme um dos melhores giros de um ator mirim que já vi em um minuto. Felizmente, ele não é precoce. Ele se parece com qualquer criança, curioso e facilmente machucado. Ele atinge o ponto certo em estado de choque ao transmitir as maneiras pelas quais Connor está lutando após o assassinato de seu pai e por que ele precisa de alguém como Hannah tão desesperadamente. 

Porém é Medina Senghore, não Jolie, que tem a sequência de ação mais emocionante e emocionante. Patrick e Jack invadem sua casa quando Ethan não está lá. Eles a ameaçam verbal e fisicamente, apontando um atiçador quente em seu rosto. No entanto, ela é uma fodona cheia de recursos e altamente inteligente, e não o tipo de dama que se deixa amedrontar. A sequência é uma obra-prima tensa – a direção, bloqueio, design de som, dublês e atores trabalham em conjunto para criar uma série de momentos tensos que destacam os pontos fortes do filme.

O enredo de Aqueles que me desejam uma morte estende credulidade em muitos pontos, e imagino que isso irá irritar alguns telespectadores. Mas não vou ao cinema por realismo. Vou sentir e ficar maravilhada. Aqueles que desejam me de morte obtém a verdade sobre a história emocional que deseja contar, e isso é o que importa. 

Mas sem spoilers, confesso que sou aquela telespectadora que gosta de todas as pontas amarradas, então quando algo não é respondido me sinto frustrada. Confesso que fiquei bem chateada por não saber o que havia naquele papel. Realmente, fiquei muito chateada. Não saber, me pareceu uma inquietação, como apesar de entender que o filme trabalha principalmente o emocional dos personagens, não saber o motivo, ficou um pouco fora da curva.

Porém vou me ater e pensar nos pontos positivos, coisa que o filme tem de sobra, principalmente nas atuações. Como Bette Davis disse uma vez: “Atuar deve ser maior do que a vida. Os scripts devem ser maiores que a vida. Tudo deve ser maior do que a vida. ” Aqueles Que Me Desejam a Morte” certamente o é, sem perder de vista as fomes e necessidades internas de seus personagens. O mais intrigante é que funciona como um argumento de que estrelas maiores que a vida, como Jolie, podem ser uma ferramenta poderosa no arsenal de um filme, se você souber o que fazer com elas.

Aqueles Que Me Desejam a Morte

Aqueles Que Me Desejam a Morte
4 5 0 1
Connor, de 12 anos, assiste ao assassinato do pai por dois desconhecidos. Apesar de conseguir escapar por entre uma floresta cerrada do Montana, o rapaz sabe que os assassinos não estão dispostos a deixar testemunhas. Na fuga, cruza-se com Hannah Faber, uma bombeira que se encontrava na torre de vigia quando tudo aconteceu. Quando os criminosos resolvem atear fogo à floresta de modo a eliminar todos os vestígios, Connor e Hannah vêem-se numa luta desesperada para escapar à violência das chamas.
Connor, de 12 anos, assiste ao assassinato do pai por dois desconhecidos. Apesar de conseguir escapar por entre uma floresta cerrada do Montana, o rapaz sabe que os assassinos não estão dispostos a deixar testemunhas. Na fuga, cruza-se com Hannah Faber, uma bombeira que se encontrava na torre de vigia quando tudo aconteceu. Quando os criminosos resolvem atear fogo à floresta de modo a eliminar todos os vestígios, Connor e Hannah vêem-se numa luta desesperada para escapar à violência das chamas.
4/5
Total Score
Postagens Relacionadas