close button

publicidade

Resenha Literária | ‘Quando a Bela Domou a Fera’ por Eloisa James

Quem tem me acompanhado nessas últimas semanas, tem notado minha espiral em relação a Contos de Fadas. Eu confesso, sou perdidamente apaixonada por esses universos. A verdade é que não posso ver nada de fantasia que já fico toda apaixonada. E é claro que eu ia mergulhar além dos filmes. Existem tantos livros que recriam os universos que conhecemos desses contos, que seria um desperdício não lê-los. Então vamos falar de Quando a Bela Domou a Fera de Eloisa James, que retrata ai um dos meus contos favoritos: A Bela e a Fera.

Eloisa James aqui mistura dois dos meus gêneros favoritos: a releitura e a ficção histórica. E ainda se inspira genialmente em personagens da nossa atualidade. O livro apresenta Linette e Piers nossos heróis. Linette é a beldade da temporada. A moça é tão escandalosamente bonita que precisa se esforçar em dobro para demonstrar recatalidade e doçura. Mas é claro que isso não dá certo e ela se vê em meio a um escandalo que destrói sua reputação.

Para fugir disso, ela é dada em casamento ao filho de um duque que mora em Gales. Longe o suficiente de Londres para que a sociedade se esqueça do escândalo. Piers é o conde de Marchant, um médico genial e de péssimo temperamento que vive no castelo Owfestry, que serve como casa e também hospital onde recebe pacientes de muitos lugares.

Piers é conhecido como “A Fera” por conta de seu péssimo hábito de ser um grande idiota arrogante que tem zero paciência com pessoas que ele considera menos inteligente que ele – ou seja, todo mundo. O Conde também tem um problema: ele é coxo. Depois de um acidente na infância, ele sente dores horríveis na coxa onde o machucado não sarou completamente. As dores horríveis, coopera ainda mais para que seu temperamento seja pior.

Ao ser mandada para Gales, acompanhada apenas do Duque Windebank – pai de Piers – Linette precisa descobrir uma forma de encantar a “fera” e fazê-lo se casar com ela para que sua reputação seja salva. Mas ela vai descobrir que as coisas não são tão simples assim.

Uma das coisas que mais amei em Quando a Bela Domou a Fera é como a releitura aqui foi reformada não só para se encaixar no contexto histórico, mas também releu até algumas das características dos personagens. Linette sabe do potêncial de sua beleza e a usa como arma – mesmo que se sinta desconfortável ao fazer, mas também é extremamente sarcástica e diferente da Bela não é tão inocente ou afável. O mesmo não acontece com o Piers que é igualzinho a Fera. Irritadíssimo como um animal ferido que quando tocado ataca a qualquer um. Mas no fim essa diferença na personalidade de Linette é o que faz a história ficar tão boa.

Apesar dos elementos principais do conto estarem nitidamente presentes no enredo da autora, ela não os segue de forma literal, e ela se permite navegar pela licença poética da releitura. O grande destaque do livro, por sua vez, está no fato de Piers ser baseado no dr. House. Eu amei encontrar essa versão do personagem, principalmente em um ambiente tão diferente do contexto da série, mas ainda bastante fiel a ela. Piers é um nobre, mas é também médico, e essa combinação, além de inusitada, já que normalmente não termos personagens com profissões do tipo em romances de época de um modo geral, rendeu ótimos momentos durante o desenrolar da trama.

Outra coisa divertida é que Eloise James – que já fez dupla com nossa querida Julia Quinn – aqui faz uma pequena referencia ao universo dela quando cita “A Senhorita Butterworth e o Barão Louco”. Quem já leu os livros de Quinn fica encantado ao ver essa homenagem.

Piers e Linnet são fortes protagonistas, fazem a gente rir e mergulham de cabeça em tudo que estão destinados a fazer. Um romance apaixonante que vale a pena ter na sua biblioteca, principalmente se você for fã de releituras. Eloise James acertou fielmente ao recriar esse conto.

Leia também: Livros baseados em Contos de Fadas

8/10
Total Score
Postagens Relacionadas