close button

PUBLICIDADE

Bienal do Livro | Gustavo Rosseb e Paulo Stucchi em um bate papo sobre livros de ficção

A Câmara Brasileira do Livro (CBL) está realizando a 1ª Bienal Virtual do Livro de São Paulo, de 7 a 13 de dezembro de 2020. Com o tema Conectando Pessoas e Livros, o evento acontecerá pelo portal www.bienalvirtualsp.org.br . O acesso é gratuito a toda programação e novidades do mercado editorial. Com mais de 100 expositores e 330 autores confirmados, o evento contará com uma grade intensa de programação, venda de livros, além de rodadas de negócios. 

Entre as muitas palestras que está acontecendo, no Salão de Ideias, rolou um bate papo muito legal com Gustavo Rosseb e Paulo Stucchi, autores dos livros “Missão Carbúnculo” e “A Filha do Reich“, respectivamente, trouxeram suas experiências como autores além de contar como é seu processo criativos na hora de escrever seus livros.

Entre muitas trocas de experiências, os autores contam como usam de fatos reais para escreverem suas fantasias. Gustavo explica como ele viajou pelo Brasil, conheceu muita das culturais locais para ter ideias e coloca-las em seus livros. Rosseb tem uma caracteristica muito especial, ele usa da nosso folclore que é rico em personagens para escrever seus universos fantásticos e também busca inspirações em fatos reais para dar personalidade a eles.

Paulo usa muito da Segunda Guerra Mundial para escrever seus livros, e contou como gosta desta complexidade para criar seus personagens. Respondendo a uma pergunta feita sobre a Jornada do Herói, ele diz que sim, o elemento está presente em seus livros, mas que na verdade não usa o preto no branco para seus personagens, naquela divisória que conhecemos de vilões e heróis, e que gosta de criar personagens mais dentro do cinza da vida, com as complexidades que nos cercam. “Gosto de escrever sobre anti-heróis. O ser humano é muito complexo. O herói é algo mitico, não somos heróis.” conta Paulo.

Eles também contaram como lidam o processo de bloqueio criativo. Paulo, conta que na verdade não é exatamente um bloqueio, mas sobre como reajustar os caminhos dos personagens, sobre como muitas vezes ele precisa dar um passo para trás e tem que reajustar a história para que se encaminhe para algo coerente de seus personagens. Gustavo acrescenta que quando ele passa por esses momentos, apenas significa que ele usou os conhecimentos que já tinha e que precisa de novos, então sai de seu lugar comúm e explora novos conhecimentos, novos lugares e conhece novas pessoas.

Já no fim do bate papo, ele também contam e aconselham sobre como é começar, entrar dentro do mercado editorial. “É um sacríficio. Não existe isso de um agente “milagroso” aparecer, ler sua história e investir em você. Muito pelo contrário, você precisa correr atrás, procurar um agente, uma equipe e fazer acontecer. É sobre você investir em si e em seu trabalho” contam.

A primeira edição completamente virtual do maior evento da América Latina está acontecendo entre 7 e 13 de Dezembro no site da Bienal Virtual e é completamente gratuíto. Você pode acessar a programação clicando aqui.

Postagens Relacionadas