Subvertendo o tempo, Tenet chega nesta quinta aos cinemas



O retorno das atividades dos cinemas pode estar voltando aos poucos, algumas cidades ainda estão com seus cinemas fechados, mas a Warner é uma dos primeiros estúdios a apostar com um grande blockbuster para o retorno: Tenet, filme do visionário diretor Christopher Nolan, que diverte o conceito de tempo, e chega às salas de cinemas que já estão abertas nesta quinta-feira, 29 de outubro.

Leia nossa Crítica de Tenet

Na trama, John David Washington é um agente que após sofrer uma emboscada e perder sua equipe, e quase morrer, volta a consciência e é enviado a uma missão ultrassecreta, já que é considerado morto. Levando consigo apenas uma palavra com o poder de conseguir acessar segredos sobre uma possível terceira guerra mundial. A questão é que a nova guerra não será nuclear, mas será uma guerra temporal. Não é viagem no tempo, mas inversão.

O ator John David Washington, que interpreta o protagonista conhecida apenas como Protagonista, revela:

[Embora] no seu cerne, Tenet conte a história de um homem tentando salvar o mundo, o filme desafia nossas formas tradicionais de interpretar o tempo, o que percebemos como sendo real, os comportamentos que aprendemos. Há muito mais acontecendo. Eu nunca tinha lido um roteiro ou visto algo assim antes. Ninguém viu. Chris encara de frente a maneira como entendemos a física do tempo, através das lentes deste personagem. Não sei qual é o fascínio dele pelo tempo, mas adoro como ele lida com isso em seus filmes.

O tempo é um dos elementos físicos que mais estão em destaque nas produções de ficção científica nos últimos anos. Dark, Vingadores, Rick and Morty, o futuro filme do Flash explorando o arco flashpoint, e as incontáveis produções de menor impacto ou que estão em produção, estão explorando formas de compreender os mistérios do tempo e sua relação com a humanidade e a realidade. E o longa trás uma nova forma de ver o tempo e seu fluxo.

Para a produtora do longa, Emma Thomas afirma que ficou assustada ao ler pela primeira vez o roteiro proposto por Nolan, devido sua grandeza, mas que sua permissão era original e intrigante que aceitou o desafio de produzi-lo. Ela ainda aponta que alguns dos trabalhos de Nolan no cinema tem sido complicados de analisar apenas pelo roteiro, e que apenas consegue ver o resulta e fazê-lo sentido quando assisti-lo na telona.

Estamos todos um pouco obcecados com o tempo, não estamos? É algo que, seja quem for, de onde quer que seja, qualquer que seja sua experiência de vida, sabe que não pode mudar. Isso te governa. Não posso falar pelo Chris, mas essa é a minha perspectiva. É interessante porque, dado o fato de que o tempo é universal, também é algo que você sente muito subjetivamente: você sabe, as crianças sentem o tempo muito diferente dos adultos. Sinto que está acelerando além da medida. E então, durante esta pandemia, nossa percepção do tempo tem sido completamente distinta… dias parecem semanas, e meses passam como minutos. Tem sido muito estranho.

comenta Emma Thomas, produtora de Tenet

O tempo é um material com várias interpretações, as que mais chamam a atenção são as clássicas histórias de Star Trek, Doctor Who e outras, e cada vez novas interpretações para trabalhar viagem no tempo, manipulação e trabalhar fluxo temporal. A ideia de Tenet se torna original pois é uma das primeiras que trabalha a manipulação da direção do fluxo temporal. Enquanto outras produções trabalham paradoxos clássicos da física quântica, consistência dos acontecimentos independente das mudanças, alterações e rupturas da realidade com a alteração, e outras – não se engane, Tenet também lida com essas questões – Tenet acaba se focando mais da direção do fluxo do tempo, e aplica esse fluxo as leis da física.

Pode parecer estranho uma análise mais artística de um filme trabalhar a ciência e física, mas Nolan já trabalhou com questões de física e ciências em outras produções, como Interestelar. Mas diferente dos aspectos cósmicos e temporais ali apresentados, em Tenet os conceitos são mais concentrados e deixa em aberto para o público interpretar, sem perder muito tempo de explicações mascadas. Além do fluxo temporal, o longa trabalha o conceito bioenergético conhecido como entropia. Nolan comenta:

Curiosamente, verificou-se que a ideia de inverter o tempo não está fora do reino das possibilidades para os físicos modernos, considerando a lei da entropia que, nos termos mais básicos, estabelece que todas as coisas e situações tendem para a desordem. Todas as leis da física são simétricas – elas podem ir para frente ou para trás no tempo e serem as mesmas, exceto para a entropia.

A teoria é que se você pudesse inverter o fluxo de entropia para um objeto, você poderia reverter o fluxo de tempo para esse objeto, de modo que a história do filme é fundamentada nos conceitos da física. Eu pedi ao físico Kip Thorne para ler o roteiro, e ele me ajudou com alguns dos conceitos, embora nós não tenhamos intenção de ser cientificamente precisos. Mas nos baseamos na ciência.

Christopher Nolan, diretor e roteirista de Tenet

Para as filmagens Nolan sabia que para concretizar sua visão exigiria um conjunto de regras que não era tão simples quanto reverter a câmera ou filmar de trás para frente. Exigiria uma interação entre a direção do tempo e o ambiente em que estamos, como as coisas se movendo ao nosso redor e até no ar que respiramos. A base foi a assimetria: a noção de inversão é assimétrica, e reproduzir isso era complicado, e tinha que ser abordar de forma ainda mais complicada. Para tanto, isso exigia técnicas variadas, com atores e dublês sendo capazes de performar cenar de luta e correr e caminhar em direções diferentes, até veículos conduzidos para frente e para traz em várias configurações, possibilitando mudar completamente a técnica que estava sendo usada para criar um visual específico.

A grande beleza da câmera é que ela realmente vê o tempo. Antes de a câmera de cinema existir, não havia como as pessoas conceberem coisas como câmera lenta ou câmera reversa. Então, o cinema em si é a janela para o tempo que permitiu que este projeto se concretizasse. É literalmente um projeto que só existe porque a câmera de cinema existe.

reforca Nolan sobre as decisões visuais e técnicas aplicadas

Tenet estreia nos cinemas brasileiros que já estão abertos em 29 de outubro, seguindo as novas normas de segurança e distanciamento social. Para mais informações acessem o site da campanha Juntos Pelo Cinema e se informem na rede de cinema mais próxima sobre as medidas de segurança, higienização e distanciamento social.





Postagens Relacionadas
Leia Mais

Enola Holmes

Quem não cresceu lendo as histórias dos casos solucionados pelo detetive Sherlock Holmes, provavelmente já deve ter ouvido…