Especial: A História dos Computadores

História dos Computadores

*Texto feito em colaboração com Rita Melo, Kellyane Santos e Francerlandio Gomes

O computador que hoje é conhecido por possuí uma placa mãe, processador, placa de vídeo, memória RAM, Memória ROM, Unidade de Armazenamento e tantos Hardwares. É só uma ponta do quanto a computação evoluiu, seja no desenvolvimento de novos componentes que alguns deles hoje trabalha em nanômetro, ou até mesmo a linguagem de programação utilizada, que atualmente foi um dos grandes avanços na era da tecnologia.

A História

As máquinas computacionais atuais possuem uma vasta genealogia. Começando pelo Ábaco, que provavelmente teve sua raiz na China, e que posteriormente foi utilizado pelas civilizações da Grécia e Roma Antiga. O ábaco consiste em elementos para contagem, que estão fixados para serem movimentos em hastes, e que estão moldados em uma moldura retangular. Tais elementos são movimentáveis para cima e para baixo. Por ser necessário do uso de ações humanas a primeira máquina computacional acabou tornando-se uma unidade de armazenamento de dados.

John Napier, que publicou em 1614 as leis do Logaritmos também foi um dos percussores da evolução dos computadores, quando ele criou um dispositivo de cálculo para facilitar a multiplicação, que seria os Ossos de Napier, que nada mais era que nove bastões, uma para cada número que quando unidos transformavam-se em multiplicação de dois números.

Foi na Era Moderna, que a humanidade viu os primeiros avanços dos computadores. A primeira grande invenção dessa época foi a criação da máquina de somar, a pascalina, criada pelo francês Blaise Pascal. A tarefa da “Pascalina”, era realizar a operação aritmética de adição (+), para ocorrer a operação, era necessário modificar as posições dos discos que estavam interligados, além disso por também precisar de um humano para movimentar essas engrenagens, a máquina de somar acabou tornando-se somente Unidade de Armazenamento de Dados. Porém, em 1671, veríamos a evolução da pascalina dessa vez criada por Gottfried Wiilhelm Von Leibnitz, nessa nova máquina computacional, era possível fazer as quatro operações aritmética, que seriam, adição, subtração, multiplicação e divisão.

Foi por volta de 1802 na França, que Joseph Marie Jacquard começou a utilizar cartões perfurados para registrar, controlar e automatizar as suas máquinas de tear.

Surge em 1822, também na França, a máquina diferencial, pelas mãos de Charles Babbage. Nesse novo computador criado, era possível resolver equações polinomiais, possibilitando a construção de tabelas de logaritmos. Porém, foi com a máquina analítica, criada também por Babbege, em 1830, a maior evolução na linha do tempo dos computadores. Com a nova máquina elaborada, baseada na perfuração de papel de Jacquard, foi possível realizar todos os cálculos e problemas matemáticos, só que a partir daí teríamos a leitura de instruções através dos furos nos cartões de papeis. Pelo alto preço que a nova máquina geraria para ser produzida, acabou que até hoje só se tem uma unidade da máquina analítica. Vale ressaltar, que foi a partir desse computador, que Ada Byron é considerada a primeira programadora do mundo, isso porque foi ela a que desenvolveu a primeira programação para computadores através dos furos nos cartões.

Como dito antes, pelo alto valor que seria necessário para construir a máquina analítica, acabou que esse computador criado por Babbege não sairia tão cedo do papel. Mas foi por volta de 1936, que Alan Turing, jovem matemática, comprovou as ideias de Babbage, quando publicou o artigo On computable numbers.

Postagens Relacionadas