0

A Motorola realizou um evento dia 4 de Março com poucos jornalistas para anunciar os mais novos integrantes da família G8, com as suas vendas iniciadas no dia seguinte. Desde então, esse que vos escreve está testando os aparelhos e vou compartilhar como tem sido a minha experiência com o intermediário Moto G8 Power, deixando o review do G8 para a próxima semana.

A Motorola colocou aqui um tanque de 5.000 mAh, mas também colocou um câmera a mais que o G8 e som estéreo. A RAM e armazenamento interno permanecem iguais, assim como o design da tela, que tem um furo para abrigar a câmera. Como estamos falando dela…

Vamos para a tela do G8 Power e construção do aparelho

Aqui temos uma resolução Full HD+ (2300×1080) 19:9 de 6,4″ com furo no canto esquerdo abrigando a câmera frontal. As bordas são finas, mas não tanto quanto você gostaria, principalmente na parte superior, mas isso se justifica pela presença do alto-falante frontal que auxilia no som estéreo. A segunda caixa se encontra na parte de baixo do aro que parece ser feito de metal, o que eu não consigo afirmar com certeza. A traseira é feita de um plástico que imita bem o vidro, mas que aquece um pouco mais. Ele conseguiu alguns riscos durante o uso, que na maior parte do tempo foi usado com a capinha que vem na caixa.

Ainda falando de sua construção, algo que chamou a minha atenção é a vedação na bandeja do chip e cartão de memória (bandeja híbrida), que reforça o cuidado da Motorola contra respingos de água. Os botões de volume e energia permanecem da direita do aparelho, sendo o de energia texturizado.

Na base do aparelho temos um microfone e a conexão USB-C, além da caixa de som que já mencionei. Já na parte superior, o Moto G8 Power traz um conector para fones de ouvido e um microfone para a redução de ruídos. A segunda caixa de som fica na frente do smartphone.

Na traseira, as câmeras formam uma letra “i“, com o LED para o flash na lateral da maior lente, que é a de maior ângulo. Como de costume, o sensor de digitais fica na logo da Motorola, funcionando muito bem, obrigado.

Bateria e Desempenho

Falar sobre a bateria do Moto G8 Power é um prazer, afinal, ela não é só um número grande, a Motorola soube fazer um bom trabalho aqui. Mesmo jogando por horas, sempre foi fácil para mim chegar ao fim do dia com folga e em dias mais corridos, sem tempo de ficar ocioso no celular, eu chegava na hora de dormir sempre com a bateria entre 50% e 40%, dando folga para mais da metade do dia seguinte.

Se você é um tipo de pessoa que quer um smartphone para durar na sua mão, sem jogos ou algo desse tipo, o Moto G8 Power vai durar dois dias tranquilos com você, a menos que você seja um ser que adora fazer vídeos em 4K.

Sobre o desempenho, eu posso dizer que, com mais algumas correções do software ele pode ser o intermediário matador. Algo que eu não entendo é que todos os jogos testados fluiram bem, em resolução média, alguns arriscando até altas resoluções, mas o Asphalt 9, um dos meus jogos favoritos, está totalmente bugado no G8 Power, travando e caindo frame em situações muito tranquilas do jogo, nem meu Redmi Note 5 Pro está fazendo isso com 3GB de RAM e 32 GB de armazenamento, combinados ao Snapdragon 636.

Pasta com os jogos que foram testados no Moto G8 Power

Lembrando que nesse conjunto do G8 Power a Motorola colocou 4 GB de RAM e 64 GB de armazenamento interno juntamente ao Snapdragon 665, que é um chipset intermediário suficiente para rodar Asphalt 9 na maior resolução possível, tanto que o Moto G8, Sem o Power, roda ele de boa.

Câmeras

Bom, aqui vamos entrando em um caminho que faz com que o Moto G8 Power esteja uma categoria acima dos Moto G8 Play e Moto G8, ficando abaixo somente do G8 Plus, teóricamente.

Câmeras traseiras

Na sua traseira temos quatro lentes em um formato de i, com o pingo e tudo. Vamos descrever assim para que fique fácil a compreensão. Esse “pingo” é a lente grande angular, ou como está na moda dizer, a Ultrawide. Esse sensor faz fotos de 8 MP com qualidade boa para a categoria e preço, surpreendendo bastante, uma vez que os sensores desse tipo entregam mais ruídos e distorções nas imagens, quando comparado ao sensor de Zoom.

Por falar nele, o sensor de Zoom pode aproximar a imagem em até 2x sem perder resolução ou definição e também entrega boas fotos, acertando na maioria das capturas. No entanto, vale reforçar que, para ambientes escuros, nenhum deles é recomendado, podendo quebrar um galho, mas com ressalvas.

Clica Aqui para ver as fotos

Indo para a lente principal, ela tem um sensor de 16 MP, f/1.8 e é capaz de fazer boas fotos. Que fique sempre claro aqui o fator preço, ele é importante para determinar até onde podemos cobrar por uma alta qualidade e fidelidade de imagem. Não adianta eu querer comparar as fotos do Moto G8 Power às de um S10, são de categoria diferentes. Agora, sobre ele poder competir com um a50 ou a51 da Sammy, isso é possível.

Algo perceptível é o pós-processamento de imagem realizado após a captura da imagem. Mesmo depois que você faz a foto, ao abrir a galeria para ver a imagem capturada, o telefone mostra uma imagem bastante pixelada por alguns segundos, mas os resultados finais são bastante agradáveis.

Macro, por que está na moda

Eu não sei quando isso começou a ser tendência, mas todos os smartphones atualmente estão insistindo em colocar lente macro em seus smartphones. O ponto ruim disso tudo é que essa é a pior lente inserida no conjunto, com baixa entrada de luz, pouquíssima resolução e uma distância focal fixa, que acaba limitando a capacidade criativa do usuário, que tem que se contentar como foco fixo.

Algo interessante é que, ao perceber que o smartphone faz sombra sobre os objetos fotografados em macro, o software deixa um botão de lanterna para que você contorne esse problema.

Por ter apenas 2MP, não espere detalhes exuberantes, fotos muito nítidas ou coisas desse tipo. Mas confesso que, mesmo com todas as limitações do componente, foi bem legal fotografar alguns circuitos com o smartphone.

Gravação de Vídeos

Sobre o gravador de vídeos, podemos fazer aqui gravação em 4K 30fps, 1080p 60fps. A qualidade dos vídeos é inferior a qualidade das fotos, o que te obriga a usar somente em ambientes bem iluminados. Por algum motivo que eu desconheço, a lente de zoom não pode ser utilizada nas resoluções maiores de vídeo e em vídeos em 720p, a lente zoom só pode ser usada em ambientes bem iluminados. A captação do áudio é mais baixa, por algum motivo fica um pouco abafado, dando a sensação de que a pessoa está falando mais longe do microfone, quando a pessoa está a uma distância de um braço, geralmente.

Câmera Frontal

A câmera frontal vem abrigada dentro da tela, em um furo no canto esquerdo. Ela não incomoda no uso (exceto quando fazemos prints e os ícones ficam afastados do canto), e deixa essa tela mais bonita e com um aproveitamento melhor.

A resolução de 16 MP se converte em 4 MP com o modo Quad Pixel, que de fato melhoram bastante a qualidade nas selfies. As cores e definição entregam algo próximo do real, com o preview sendo sempre pior que o resultado final, com pós processamento.

Os efeitos de câmera funcionam da mesma forma que nas câmeras traseiras, me fazendo questionar as vezes o real sentido de quatro lentes traseiras em um smartphone.

Áudio estéreo com qualidade

Como já comentei, o áudio do Moto G8 Power é estéreo, trazendo um som agradável mesmo no volume máximo, com alguma dificuldade nós tons baixos, mas nada que estrague a experiência.

Ele é ótimo para jogos e para assistir videos, trazendo uma imersão para o usuário, aliado ao bom conjunto de hardware da tela.

Outro ponto forte aqui é o software de equalização, assinado pela Dolby, que traz alguns preset para música, vídeos e jogos e também um modo personalizado para você fazer conforme seu gosto. Há também um modo inteligente que ajusta automaticamente o áudio para cada função executada no smartphone.

A captação de áudio não é tão boa quanto a execução do som. É recorrente a reclamação das pessoas de não conseguir me ouvir em chamadas de vídeo ou áudio no WhatsApp, Microsoft Teams ou Google Meets (não recomendo o zoom pela grande quantidade de escândalos referentes a privacidade), sendo que em ligações por voz a captação de áudio é boa.

O mais estranho é que, na maioria dos casos eu precisei falar no microfone que fica na parte superior do smartphone, sendo que o natural é que esse microfone execute a redução de ruídos.

Preço e disponibilidade

O Moto G8 Power está hoje custando ~R$ 1300,00, variando para um pouco mais ou um pouco menos no ecommerce. O seu preço de lançamento em Fevereiro era de R$ 1.600,00. Dificilmente ele sofrerá mais diminuição, diante da crise que vivemos com a pandemia, mas se você está precisando de um bom intermediário, ele pode ser um bom investimento.

Conclusão

Em resumo, o que a Motorola entrega nesse smartphone é bastante equilibrado em captura de fotos ou vídeos entregando ótimos resultados para a categoria, sendo melhor muitas vezes que o G8 Plus, que recebeu inúmeras reclamações por capturar fotos piores e até mesmo por desempenho estranhamente inferior ao moto G7 Plus.

A Motorola certamente enxergou a falha que teve nós smartphones de novembro e trouxe uma melhora significativa nós atuais lançamentos da linha G8.

Ficha Técnica – Moto G8 Power

  • Tela: 6,4″ LCD, Full HD+ (2300×1080) 19:9
  • Processador: Qualcomm Snapdragon 665, octa-core de até 2 GHz, com GPU Adreno 610
  • RAM e armazenamento: 4 GB + 64 GB, microSD de até 512 GB (híbrido)
  • Câmera traseira quádrupla
    • Principal: 16 MP, f/1.7 1.12 µm
    • Grande-angular: 8 MP, 118º, f/2,2, 1.12 µm
    • Macro: 2 MP, f/2.2, 1.75 µm
    • Telephoto: 8 MP, f/2.2, 1.12 µm, 2x Zoom
  • vídeo: 4K a 30 fps, 1080p a 60fps ou 1080p com estabilização eletrônica
  • Câmera frontal: 16 megapixels, f/2
  • Bateria: 5.000 mAh, carregamento rápido de 15 W, carregador incluso na caixa de 18 W. Curiosamente a Motorola limitou a 15W, mas nada impede que eles atualizem para suportar mais voltagem, como a Xiaomi prometeu para o Redmi Note 9s
  • Sistema operacional: Android 10, com pequenas mudanças feitas pela Motorola, que se resumem a aplicativos como o Moto Ações, Câmera e algumas outras mudanças sutis como o equalizador
  • Mais: leitor de digitais na traseira, entrada 3,5 mm para fone de ouvido, USB-C, Som estéreo, Wi-Fi 802.11, Bluetooth 5.0, dual-chip 4G
  • Dimensões e peso: 156 x 75.8 x 9.6 mm

O que vem na caixa

Moto G8 Power

7.5

Moto G8 Pro - 5.000 mAh faz diferença!
  • Muita bateria para um dia inteiro, ou até dois
  • Tela
  • Conector de fones
  • Som estéreo com boa definição e ótimo volume
  • Design com boa pegada
  • Boa câmera ultrawide
Moto G8 Power - Nem tudo é perfeito
  • Funciona bem em jogos, mas nem tanto
  • Asphalt 9 não roda bem, e isso importa para o editor
  • Multitarefa fecha apps pesado em segundo plano rápido demais
  • Foco lento na câmera principal
0

Você Pode Gostar!