CríticaDestaqueSéries e TV

Locke & Key

0

O mundo das adaptações de quadrinhos está fervilhando nos cinemas, televisão e plataformas de streaming. O que era um mercado apenas focado nos heróis de HQs, hoje temos inúmeras adaptações que vão da comédia ao drama, passando por thriller psicológico. A Netflix está apostando alto já que muitas de suas atuais produções e futuras produções são adaptações de quadrinhos as quais adquiriu os direitos, e para começar o ano de 2020, a primeira série de grande destaque é Locke & Key, história de Joe Hill, que sua adaptação ameniza o que é apresentado na história dos quadrinhos para um público mais amplo, mas mantém o elemento sombrio de sua narrativa.

A história de suspense fantástico segue a história dos irmãos Locke, que após perderem o pai em uma tragédia que os marca profundamente, se mudam para a mansão da família de seu pai, a Keyhouse. Tentando superar a tragédia que cada um viveu, eles acabam descobrindo que a casa de sua família esconde inúmeras chaves com propriedades mágicas, e enquanto aprendem a usá-las, eles descobrem o que causou o afastamento de seu pai da casa de infância e enfrentam uma entidade que busca controlar o poder das chaves.

Com uma premissa com muito potencial, e contando com uma escalação pouco conhecida, mas que ainda assim fica a sensação de já termos visto eles em outros trabalhos, Locke & Key parece uma história amenizada para atingir o maior número de faixas etárias de público. As histórias em quadrinhos que a série se baseia são sangrentas e com um desenvolvimento e acontecimentos inesperados, e isso faz da história core de Locke & Key instigante, o que faltou para a série de TV, uma vez que muitos elementos inesperados foram readaptados e trazem um desenvolvimento eufêmico e previsível.

Apesar da sensação de potencial desperdiçado, a série traz em sua narrativa ótimas discussões e alegorias, como o alcoolismo e depressão, e ainda constrói um ambiente para o suspense fantástico, que ainda pode ser acessível para telespectadores que não seriam indicados se seguissem quase que à risca a história, elementos e narrativa das HQs. Mesmo que mais acessível, a série apresenta aquele velho problema das adaptações: escolhas narrativas que não condizem com o desenvolvimento de seus personagens, arcos arrastados e inconsistências narrativas.

Mesmo a constante gongada que trago, a série ainda traz um grande potencial e ótimas escolhas. A começar pela escalação do elenco, que além de ser surpreendente tem uma química em tela que traz veracidade de seu parentesco. Os efeitos visuais também são bons, e toda a funcionalidade das chaves, algumas mescladas do original para dar maior flexibilidade na narrativa (como a Chave da Identidade), e a readaptação de algumas funcionalidades das chaves para serem visualmente interessantes e mais acessíveis (como a Chave da Mente), conseguem trazer uma unidade perfeita para os mistérios e origem da magia delas.

Locke & Key mesmo com muitas críticas negativas, é uma série que entretém muito bem, constrói um ótimo ambiente de suspense e terror, ficando evidente que os criadores dominam como construir esses momentos, e mesmo que amenize a história para ser mais acessível a um leque maior de público, agrada pela escalação do elenco e pelas mecânicas da “magia” das chaves e se torna uma série que tem muito a crescer e que pode se alinhar mais a história core dos quadrinhos, ou seguir um caminho mais ameno, mas mais seguro da personalidade de seus personagens e suas construções.

produto-imagem

Locke & Key (1ª Temporada)

6.5

Tentando agradar a gregos e troianos, a primeira temporada mantém os elementos mais importante dos arcos dos quadrinhos, mas adapta a história para ser mais acessível a um público maior que tanto perde daqueles que esperam uma história mais fiel, quanto cria grande alvoroço por ser algo diferente de tudo que se viu e ser uma série inovadora

  • Ótima escalação de elenco
  • Mecânica das propriedades das chaves mais intuitiva e instigante para o público descobrir
  • Abordagem de temas interessantes como alcoolismo, depressão e lidar com medos
  • Ótima fonte de criar teorias e funcionalidades da peças centrais da série
  • Um ótimo vilão com uma reviravolta inesperada
  • Narrativa previsível e que não atinge a expectativa
  • Não desenvolve os temas interessantes citados nós prós
  • Desenvolvimento fraco para alguns arcos e decisões que não condizem com o crescimento dos personagens
0