CríticaDestaqueFilmes

Sonic: O Filme

1

Sonic: O Filme, é a mais nova aposta da Paramount, baseado nos jogos que nós já conhecemos da Sega: Sonic. E quem assume a direção é Jeff Fowler em seu primeiro filme de longa-metragem.

Sonic não é o primeiro filme a ser adaptado para as telas: Super Mario Bros., Street Fighter e Assassin’s Creed já tiveram ai seus momentos, e apesar de não serem grandes sucessos, tiveram suas tentativas. O mais recente foi Detetive Pikachu que agradou ao público pela nostagia, apesar de ter dividido opiniões entre a crítica especializada.

E claro vou começar falando já da abertura, vendo o nome da Sega aparecendo, e mostrando seus vários jogos consagrados. Foi muito legal! E é claro, remete a nostalgia de quem jogava entre os anos 90 e inicio dos anos 2000 – e joga até hoje.

Depois de fugir de seu próprio mundo, por causa de seus poderes, o pequeno Sonic (Ben Schwartz), acaba vivendo em uma cidadezinha perdida no estado de Montana chamada Green Hill. Depois de anos vivendo ali, ele acaba conhecendo a todos, sabendo suas rotinas, mesmo que ninguém ali o conheça de volta, bem com excessão do velho maluco da cidade que pensa que ele é um “diabo azul”. Quando Sonic de maneira equivocada acaba usando seus poderem causando um blackout geral, isso chama atenção do governo americano, que para abafar o caso, pede auxilio para o estranho e bem vilanesco Dr Robotnik (Jim Carry) para tentar descobrir o que aconteceu e encerrar o caso. Para fugir do Dr, ele se junta ao xerife da cidade, Tom Wachowski (James Marsden) a quem o ouriço chama carinhosamente de “Lord Donut”.

O filme é isso: uma fuga muito mal planejada que vai de Montana até São Francisco, com direito a passagem em um bar de motoqueiro, problemas familiares, hotel de beira de estrada, um lista de todas as coisas que devemos fazer antes de morrer – ou neste caso antes de Sonic deixar a Terra – e tudo isso enquanto falam sobre amizade e companheirismo.

Aqui os roteiristas Patrick Casey e Josh Miller nem tentam se levar a sério, ou seja, eles sabem o quão estranho é fazer com que Sonic funcione bem na nossa realidade então lotaram o filme é cheio de piadinhas, referencias que vão encher os olhos dos fãs, e que serve como uma forma de desmonstrar que o Sonic não está tão longe de seu verdadeiro habitat.

E o maior destaque deste filme sem dúvida é o Jim Carry. Ele claramente se divertiu muito fazendo esse filme. Seu personagem é bem caricato, faz umas dancinhas malucas, é cheio de caras e bocas – em um estilo que bem conhecemos. No Dr Robotnik vemos um liberdade artistica. Ele se veste como vilão, tem todo um disigne construido para isso, e Carry pegou um pouco de alguns de seus personagens como Maskara e Grinch para se transformar em um vilão muito bom e muito engraçado.

No fim, Sonic: O Filme é algo que vai agradar a todos! Os mais velhos e amante dos games vão se deleitar com tantas referencias, as crianças – o verdadeiro público alvo – vão amar as cenas de ação e sair do cinema pedindo uma pelúcia do Ouriço Azul, e os pais que podem não entender de games, vão acabar gostando também, afinal é um filme simples, com muitos momentos engraçados e também não é tão grande tendo somente 1:30hrs de duração.

O longa já está em cartaz em todo o Brasil.

Sonic: O Filme

8.5

Divertido e muito nostálgico, o filme aqui apresenta uma história sobre amizade e companheirismo, e também o carinho de todos que trabalharam para que ele chegasse as telonas.

  • Design de produção
  • Edição
  • Roteiro
  • Vilão
  • Nostálgico
    1