CríticaDestaqueSéries e TV

Sex Education (2ª Temporada)

0

Falar sobre sexo é um tabu. Não é de hoje que esse assunto causa desconforto não apenas em quem fala, como no locutor. Mas falar sobre sexo ou mais generalizado, na sexualidade nunca foi tão importante como nos dias de hoje. Seja pela aceitação da fluídeza dos gêneros e orientações sexuais, seja os mais graves casos de assédio e violação do corpo, falar sobre sexualidade e conhecer a si mesmo e ter armas para combater casos de abuso. E nada mais simbólico que termos Sex Education, série britânica da Netflix que ensina de forma bem didática e com muito humor, a descoberta do sexo, mas que em sua segunda temporada eleva e expande a discussão.

A premissa da primeira temporada era interessante: um filho de uma sexóloga e terapeuta de relacionamento, com um problema para se relacionar, começa a dar conselhos sexuais na escola junto com a “garota problema” da escola. Na segunda temporada isso é meio deixado de lado. Sabendo do que cada um sente pelo outro, mas não revelando, Otis (Asa Butterfield) e Maeve (Emma Mackey) tentam seguir em frente com a Clínica fechada, mas que logo será reaberta, e precisa enfrentar um novo concorrente: a mãe de Otis, Jean (Gillian Anderson), que é contratada pela escola para lidar com surto de desinformações sobre sexualidade. Mais especificamente, um surto de um IST.

Tirando o elenco clínica de sua narrativa, a série se permite explorar mais do ué casos isolados sobre sexualidade, enquanto desenvolve a relação dos protagonistas e dia coadjuvantes mais importantes. Além de ser mais flexível em sua narrativa, a temporada ainda acrescenta elementos novos: não são apenas adolescentes que possuem questionamentos sobre sexualidade, mas os adultos também.

E vem deste novo elemento o grande trunfo para deixar a série mais humana: vemos o caso da professora de inglês e do professor que tem um caso peculiar de se relacionarem; os questionamentos de ser desejada da mulher do diretor; até mesmo Jean tem um arco que questiona como se relaciona, não apenas com Otis, mas com seu ex-marido e seu atual namorado. E isso trás a tona que discutir sexo e sexualidade não tem idade certa, não é porque você já está “experiente” que não surgirá um impasse em sua vida sexual.

Outro ponto bem pertinente – e o mais interessante da temporada – foi a abordagem do assédio sexual. Ao longo da temporada as personagens femininas ganharam mais e mais destaques, com discussões importantes a sexualidade feminina, e ao assédio, que o arco de Aimee (Aimee Lou Woods) culmina no melhor episódio da temporada, cheia de referências, empoderamento feminino e sororidade.

A questão que fica ao encerra a temporada – ou até antes – e que se dependesse exclusivamente do protagonismo de Otis, a série não seria tão agradável. Seu arco foi o mais desinteressante, já que lida com o fato dele se sentir trocado pela mãe, não ter a atenção que tinha por ser filho único, e vive arrumando desculpas para atitudes cretinas. Os personagens que já conhecemos ganham novos rumos em suas histórias, e conseguem suprir o protagonismo e Otis tanto que não se percebe sua presença até ele aparecer.

Eric (Ncuti Gatwa) encontrasse num impasse ao começar um romance novo, quando Adam (Connor Swindells) retorna a cidade; o próprio Adam tem um arco pessoal de alto-descoberta, tanto de sua sexualidade, quando de comportamento; Ola (Patricia Allison) circunda Otis, mas quando ela se torna independente dele, sua história tem um desenvolvimento importante e rápido; Jackson (Kedar Williams-Stirling) passa pelos problemas de saber do que ele é bom, além da natação, e buscar um equilíbrio com a pressão que vive do time e de sua mãe. Novos personagens entram em cena para agregar, e já parecem estar com o elenco desde sempre, devido a enorme química entre eles.

Sex Education, como o próprio nome diz, veio para ensinar sobre sexualidade. Mas mais do que isso, ele levanta pautas que antes não são discutidas devido ao conhecido desconforto de falar sobre sexualidade. Se a primeira temporada foi para iniciantes, a segunda temporada elevou o conhecimento sobre algo tão banal que não deveria ser um tabu, e de forma engraçada e tocante, cria um lugar seguro para ser o ponto de partida para nos conhecermos mais.

produto-imagem

Sex Education

9

De forma leve, mas eficiente, segunda temporada expande as aulas de educação sexual para além dos muros da escola, e ainda consegue levar a discussão para problemas sociais que estão em alta, de forma eficaz e orgânica

  • Personagens secundários com maior destaque e desenvolvimento
  • Expandir as histórias além dos problemas adolescentes
  • De forma leve, abordar temas pertinentes a sociedade
  • Levantar a bandeira da aceitação da sexualidade em todas suas formas
  • Referências a Mean Girls e Breakfast Club
  • Otis e seu egocentrismo
0