CríticaDestaqueFilmes

A Família Addams

0

Acho quase impossível alguém não saber quem são a Família Addams. Personagens clássicos do quadrinhos – que fiquei sabendo há pouco tempo – e que ganharam fama mundial pelos filmes dos anos 1990, essa família mórbida criada por Charles Addams não perdeu sua essência ao longo dos anos e de suas adaptações, e que recebe este ano uma nova adaptação em animação, que promete resgatar a essência original, criada nas páginas.

Um fato real (desculpa o pleonasmo): sempre veremos semelhanças em alguns personagens com alguém de nossa família. Por mais bizarro que os Addams pareceram, beirando ao mórbido, a história sempre foi focada na aceitação ao diferente. E a nova animação apresenta parte de uma história de dirigem dos Addams, com uma primeira história de contato desta família com outras famílias.

Bem básico em roteiro e narrativa, o próprio filme é focado para um público mais jovem, mas que não deixa o público que acompanhou os live-actions de fora, com inúmeras referências a outros filmes do terror. A história mostra a rotina da família Addams, depois de encontrar seu medonho lar azedo lar, e passar por um período sombrio: novos vizinhos, coloridos e alegres demais. Com um novo vilarejo que se instala na base da montanha em que vivem, os Addams então são ameaçados a mudar seu estilo quando uma design de interiores deixo transformar seu manicômio (literalmente) em um lar doce lar.

A animação esbanja personalidade, com traços exagerados como da franquia Meu Malvado Favorito, e tem ótimas escolhas de construção de personagem: seja pelas trancinhas de Vandinha serem uma forca; a fato do vestido de Morticia ser o lar de centenas de aranhas; o filme tem ótimas escolhas visuais para seus personagens que seria difícil imagina-los inseridos em personagens reais.

A trama foca num rito de passagem: a adolescência. Principalmente pela Vandinha querendo mudar sua rotina sombria ao desbravar os portões de seu lar, ou aí Feioso que precisa passar pelo rito de passagem dos homens Addams. Mas o rito também acomete a própria família, que precisa enfrentar o medo após terem sido expulsos de seu último lar, como monstros. E é aí que o filme entrega sua mensagem: a aceitação do diferente, mudanças acontecem para o bem, e a ter empatia por todos.

A Família Addams é uma ótima representação de uma família: por mais exagerados e sombrios que sejam suas origens, a família diverte pelas metáforas e referências de filmes de terror mais atuais inseridos como easter eggs, seja pelas ironias da origem dos personagens relacionado a situações reais, o filme tem um ótimo equilíbrio de público, mesmo com o básico roteiro, e uma narrativa bem suave. Sem exagerar em trazer algo estupendo, o longa mostra que é uma produção atual, que sabe levar sua mensagem para qualquer idade, e se permite brincar com ao gênero que normalmente estaria inserido, se não fosse o bom humor e ótimas piadas e trocadilhos sociais e familiares.

produto-imagem

A Família Addams

8

Com um roteiro simples, mas um visual único e estiloso, A Família Addams resgata a origem da família mórbida, utilizando inúmeras referências do mundo do terror e também de seu próprio universo, ressaltando a personificação da família

  • Design único e estiloso para a animação
  • Personagens carismáticos que não perderam seu charme
  • Tema social recorrente e que não fica passado
  • Ótimas referências e easter eggs ao longo da trama
  • É um filme simples em roteiro e narrativa
  • Não tem um aprofundamento maior nós personagens que não seja aquilo que já conhecemos
0