CríticaDestaqueFilmes

Ela Disse, Ele Disse

0

Não existe uma fase tão complexa na vida de todos do que a adolescência. Os desafios de uma “quase” vida adulta, tomando responsabilidades, o primeiro amor, o fortalecimento das amizades é um marco na vida de todos. Falar com esse público chega até ser um calvário – ironicamente, todos nós já passamos pela adolescência – mas Talitha Rebouças é uma autora que conseguiu falar diretamente com eles, em seus diversos livros publicados, e que estão ganhando suas adaptações cinematográficas. E Ela Disse, Ele Disse vem para divertir e colocar nas telas de cinema, o primeiro protagonista masculino dividindo a atenção da história, numa mensagem de apoio e amor.

A trama segue a vida de dois novos estudantes, Rosa (Duda Matte) e Leo (Marcus Bessa), e pelo ponto de vistas deles conhecemos suas rotinas, seus amigos, suas vidas, seus conflitos e seu crescimento ao longo do novo ano da escola. Utilizando um recurso vindo do teatro, a história quebra a quarta parede mostrando e contrapondo as ações de ambos com seus pensamentos ganhando vida. E de forma mais intimista, este recurso torna o desenvolvimento leve e que converse com todos os públicos.

A narrativa é bem simples, e por ser simples ela consegue conversar de forma bem direta com seu público alvo. Ela não é pretensiosa, e entrega um rito de passagem comum para todos os jovens: a descoberta do primeiro amor. Todo o filme em si fala sobre essa descoberta, e desconstrói os personagens numa jornada que muda a vida deles. Além da descoberta do amor, o filme ressalta o poder da amizade (bem Xuxa), mas de forma despretensiosa.

O longa se destaca por trazer muitos rosto não familiares como protagonistas, geralmente vindos do teatro, e que estreiam no cinema. E todos conseguem cativar com as qualidades e personalidades de seus personagens. Mesmo com o foco em diversos matérias de divulgação da atriz e cantora Maísa, ela encarna sua primeira antagonista na carreira, e transborda carisma na sua personagem “burra” que fala de si mesmo assim. Outros destaques são as amigas de Rosa, que tem uma química em tela que arranca qualquer um a risadas com suas tiradas virtuosas e engraçado.

Como qualquer outro filme vindo de uma história de Talitha Rebouças o longa é um refresco para outros longas que estamos acostumados de ação, aventurada, ou drama que circundam o ramo cinematográfico e tomam os holofotes. Pela sua narrativa trazer uma sensação de adaptação de fanfic, ela consegue se conectar com seu telespectador que se relaciona com os personagens. Sem forçar a história goela abaixo.

Ela Disse, Ele Disse é uma história leve sobre um rito de passagem adolescente de forma que converse com todos que já passaram por essa fase. Utilizando como ferramenta principal o recurso de Quebra da Quarta Parede, com muitos atores vindo do teatro, o filme que já cria empatia com o telespectador pela aproximação dos temas desenvolvidos já terem acontecido com todo mundo, ele reforça essa interação com o público, e conta com uma comédia leve e divertida, que mesmo que focada num pública mais juvenil, consegue ser uma produção para todas as idades.

produto-imagem

Ela Disse, Ele Disse

7

Alternando o ponto de vista de seus protagonistas, e usando um recurso do teatro, longa explora um rito de passagem comum para todos, e de forma leve e com grande empatia do elenco, se conecta com qualquer público

  • Roteiro simplista e leve
  • Comédia inteligente e sarcástica
  • Personagens carismáticos
  • Narrativa focada para um nicho específico
0