CríticaDestaqueFilmes

Meu Amigo Enzo

0

Começando com uma pequena constatação: eu não choro com facilidade; aqui é Rainha Elsa Frozen Heart raiz. Mas este filme conseguiu aquecer o coração gelado e me fez chorar horrores na sessão. Agora, voltando a crítica:

Uma coisa é certa: filmes de cachorros são um atentado ao emocional de qualquer pessoa, pois previsivelmente, o cachorro protagonista geralmente morre em suas histórias, mas mesmo que seja quase desumano para uma história cinematográfica acabar com nosso emocional assim, histórias de cachorro acabam ensinando mais sobre o homem e suas relações do que qualquer filme mais cabeça. De Marley a Hachiko, de Bethowen a Bailey, é quase impossível não se emocionar com personagem de pêlos, focinhos molhados e rabos balançando, e Meu Amigo Enzo consegue emocionar da primeira cena inesperada, de todo o desenvolvimento da vida deste doguinho, até nos momentos finais.

A história é ainda mais simples do que qualquer outro filme onde o cachorro é protagonista: um jovem acaba adotando um cachorro e ele se torna um companheiro de toda sua jornada. Mas mesmo sabendo que o final é triste, é cheio de lágrimas, o longa já surpreende logo no início, pois toda a história é contada como uma grande epifânia das memórias do próprio Enzo, desde sua adoção até o derradeiro final.

O livro a qual a história se baseia, até seu título original, A Arte de Pilotar na Chuva pode ser apenas um pretexto ou um elemento dentro da narrativa para o personagem de Milo Ventimiglia, um piloto de testes que é perito em pilotar na chuva e não perder o controle, mas além disso, o próprio título é uma analogia forte a toda a jornada de Denny Swift (Ventimiglia) e do próprio Enzo. Assim como a chuva é uma condição imprevisível para o esporte, o piloto precisa saber como lidar com a imprevisibilidade e tomar o controle da situação, pois a chuva não vai passar de simplesmente uma chuva.

Toda a jornada do próprio Denny é de altos e baixos – mais baixos e altos – e Enzo está lá para ser o familiar que ajuda Denny nos piores temporais que sua vida enfrenta, dando-lhe coragem quando precisa, ajudando-o a se reencontrar como piloto. No meio disso, Enzo (Kevin Costner) segue uma jornada já bem conhecida, como a de Bailey, em Quatro Vidas de um Cachorro: ele age buscando um sentido para ser um cachorro aficcionado com corridas, e ter sido colocado em sua vida um piloto como Denny.

Colocar não apenas Milo Ventimiglia, conhecido pelo seu papel mais importante na série This Is Us como o pai que todos queremos ter, mas o também trazer Amanda Seyfried como o par romântico de Milo, foi uma combinação perfeita para dar o drama familiar e romance que ambos já são bem conhecedores, além de apresentar a química para o relacionamento do dois ser tão boa que extrapola a tela.

Vendo a história do ponto de vista de Enzo reforça ainda mais a conexão do público com o doguinho, então, tudo que vemos é limitado a presença do cachorro, que é humanizado cena por cena, e no grande clímax final – que já é apresentado logo no início – se torna impossível não se emocionar e sentir o que os personagens sentem no momento.

Meu Amigo Enzo é mais um filme que vai acabar com nosso emocional. Se tem um filme onde um cachorro é protagonista, o final mesmo previsível, nos força a emocionar, mas Enzo consegue conversar mais sobre a humanidade e dos desafios que enfrentamos, e que muitas vezes precisamos de um companheiro que nos ajude nos momentos mais tenebrosos, nos lembre de ter coragem e enfrentar a pior chuva como se fosse nada mais do que uma chuva.

produto-imagem

Meu Amigo Enzo

10

Mirando no coração e acertando em cheio, Meu Amigo Enzo consegue se conectar com o telespectador, usando da conexão de amizade do humano com um cão, e humaniza as ações do personagem título, numa narrativa que explora as dificuldades simples que enfrentamos na vida, e buscamos uma solução para as adversidades

  • Emocionante pela simplicidade
  • Humaniza as ações do animal
  • Química dos personagens humanos tocante
  • Humor característicos de outras histórias com cachorros
  • Analogias inseridas na narrativa com substância
    0