CríticaDestaqueFilmes

Share | “Compartilhar” Estreia dia 5/8 no Canal Pago HBO

0

Trazendo uma temática bem atual e negligenciada pela maioria dos usuários da internet, principalmente redes sociais, o filme Compartilhar da HBO traz uma discussão a respeito do como uma atitude pode virar do avesso a vida de uma pessoa.

Mandy (Rhianne Barreto) é uma adolescente que descobre um vídeo seu circulando entre seus colegas da escola, onde ela supostamente sofre um abuso sexual. Enquanto Mandy tenta entender o que está acontecendo, seus pais acabam descobrindo toda a situação e a orientam contar para a polícia o que ocorreu, fazendo com que ela acabe sofrendo represálias da diretora, dos treinadores do time de handebol, e das pessoas que ela achava que eram seus amigos.

A trama segue em um clima bem obscuro, tenso e cheio de indagações e críticas à situação que Mandy se encontra. O clima de vergonha e desespero, misturado com raiva é bem nítido em todos os momentos. A sensação de perturbação mental/emocional é clara em um momento em que a adolescente está no treino e acaba perdendo o controle de si.

A maior parte das cenas trazem uma imagem mais escura que o normal, mostrando a adolescente inquieta e decidida a descobri o que de fato aconteceu com ela na noite em que o vídeo foi gravado, enquanto situações adversas ocorrem ao seu redor forçando a garota a abandonar sua vida e se isolar de todos que ela gosta.

O Ritmo da Trama

Apesar de ser um tema muito importante e atual, não espere algo muito empolgante. Sempre que você pensar que algo vai acontecer e trazer algum tipo de ação ou emoção para a trama, desconsidere, isso não acontece.

Do início ao fim temos sempre a mesma pegada, até na cena em que você espera uma briga entre o pai da garota e o pai do suposto abusador, A.J. (Nicholas Galitzine). Não, nada acontece, nem mesmo brigas entre Mandy e A.J., quando os dois tem um encontro tenso por acaso.

Abuso Contra Mulher

Uma parte desse filme, essa que comecei a citar acima, com o encontro dos pais dos adolescentes Mandy e A.J, traz uma fala do pai do garoto que te faz refletir como a cabeça do ser humano pode ser podre. Ele diz: “Meu filho está ouvindo muito por isso, mas ele é um bom rapaz, nos perdoe. Mas, a sua filha não poderia ficar bêbada a esse ponto, não foi totalmente culpa dele”

Se você pensa como um machista, você cogitará ponderar se o homem está certo ou errado, mas o que não saiu da minha cabeça é, por que uma mulher deveria se preocupar em não poder ficar bêbada em uma festa por correr o risco de ser abusada sexualmente? Ela estava com seus amigos da escola, só haviam pessoas conhecidas, um dos envolvidos mantinha um relacionamento com ela. No entanto, ao verem a garota desacordada, eles gravam um vídeo questionando se “transar com uma morta ainda conta como uma transa”.

Espero que você que lê esse texto não tenha passado por nada nem mesmo próximo disso, só de tentar se colocar nessa situação, já é perturbador.

A História

Apesar de parecer muito clichê, a história segue de uma forma que você fica intrigado e se envolve com a personagem e sua família. O Pai de Mandy fica realmente perturbado e preocupado com a filha, sem acreditar que isso possa ser real. Tem momentos que ele se retira da sala de interrogatório por não suportar ouvir o que os garotos falam no vídeo. A Mãe de Mandy toma todas as ações cabíveis dentro da lei, e em uma conversa, fica subentendido que ela mesma talvez tenha passado por isso e não tenha recebido o apoio necessário. Ela é a mais enérgica, é a que tem sempre a melhor solução, mas nem sempre todas as respostas.

No meio de toda essa história, Mandy tem o apoio de seus amigos Jenna (Lov Simone) e Dylan (Charlie Plumme). Ao contrário de todo o resto, os dois são os únicos que tentam levantar o astral da adolescente, tentando fazer com que ela se esqueça um pouco do terror de ter sofrido um abuso.

No entanto, os atos do filme não parecem ser bem construídos. Em um momento estão todos em casa, Mandy e seus pais, e no seguinte ela está na escola pegando seus pertences, pois não pode frequentar a escola. Em outra situação ela está em casa chorando no escuro, e logo depois, no corte seguinte ela está saindo para uma festa com as amigas.

O fim da trama foge completamente do que se espera e talvez você fique decepcionado, mas sem dar spoiler, é bem mais próximo da realidade da grande maioria das pessoas abusadas.

A estreia de Compartilhar ( Share no original) é dia 5 de agosto no canal pago HBO. Vale apena conferir e pensar um pouco em como estamos conduzindo a vida nas redes sociais.

Lembrando que vazar imagens ou vídeos de menores na internet, mesmo sob consentimento, é crime de pedofilia. E vazar imagens de adultos ou adolescentes na internet sem o consentimento do mesmo é crime também. E, se você gosta de mandar nudes para o/a crush, tenha cuidado para quem e como será feito, e se vazou algo seu por ai, não tenha medo, procure as autoridades, os crimes não podem ficar impunes dando a ilusão ao autor de que ele tem o direito de fazer isso com você ou com qualquer outra pessoa! Denuncie!

produto-imagem

Compartilhar

7

Prós
  • Tema atual
  • Maneira diferenciada na abordagem do assunto
  • História e protagonista envolvente
Poderia Ser Melhor
  • Pontos desconexos na trama
  • Falta emoção em algumas situações cruciais
  • Fim que deixa a pergunta: "Acabou? Sério?"
0

Você Pode Gostar!