CríticaDestaqueFilmes

Simonal | Início e Fim De Uma História Brilhante

0

Contando a história de Wilson Simonal e mostrando como algumas coisas aconteciam nas décadas de 1960/70, o filme traz uma ambientação e construção da história bem elaborada. Tenho certeza que você deve conhecer ao menos uma música das muitas que tocam na trilha sonora, seja por ver na TV, seus pais ou avós, mas de certo que ao menos uma você já ouviu.

A trama se inicia com o final, isso mesmo, uma tremenda festa é realizada e todo o meio artístico se reúne para descobri quais surpresas a noite reserva, entretanto, tudo vai completamente ao oposto do que se espera, e logo de imediato somos puxados 15 anos para o passado.

Simonal no fim de sua carreira

Durante essa data, vemos Wilson Simonal com seu grupo musical, Dry Boys, em busca do sonho de viver de sua arte, a música. Tudo vai bem, até que Simonal recebe uma proposta para seguir sozinho, sem o grupo, e tudo vai bem, ele consegue atrair os olhares de muitas pessoas importantes e começa a fazer sucesso. O problema desse sucesso é que Simonal se deixa levar por todo esse glamour e acaba esquecendo da esposa, família e se metendo em muita confusão.

Imperial e Simonal após a saída do cantor de sua banda

Após uma entrevista que acaba com o cantor sofrendo com o racismo explícito da época, por parte do jornalista, o cantor resolve apresentar uma canção que fala sobre a luta de Matin Luther King, Wilson é convidado a dar declarações de suspeita por subversão ao delegado, e é aí que todo o problema começa.

Querendo se safar, ser amigo de todo mundo e falando sempre tudo o que que qualquer um gostaria de ouvir, seu depoimento é jogado na imprensa e ele é perseguido de todas as formas por delatar Gil e Caetano, que sofrem perseguição por parte do governo na ditadura. Muita coisa acontece enquanto ele tenta retornar aos palcos e esclarecer que ele não delatou ninguém.

A fotografia do filme, a caracterização dos personagens e a trilha sonora são um show a parte, as casas, os locais de shows, os programas de TV, as rádios, tudo bem caracterizado para remeter-se as décadas de 60 e 70.

Simonal e sua esposa Tereza

Todas as canções que vemos no filme são interpretadas por Wilson Simonal, e em alguns trechos do filme, vemos imagens originais de programas estrelados pelo cantor em canais de televisão.

Por ser baseado em fatos da vida do cantor, não se tem final feliz, volta por cima e nem mensagem motivacional, temos a dura e fria realidade exposta no final da trama e algumas declarações dos passos do cantor até o fim de sua vida no ano 2000.

Algo importante a ser ressaltado é o fato de que ainda hoje temos situações tensas semelhantes as do filme, como o racismo, a violência contra a mulher, seja ela física ou psicológica, corrupção no governo e na polícia. Tudo parece tão presente que até assusta! Eu não vivi na ditadura militar, meus pais nasceram no fim dessa época de terror, mas ainda assim, mesmo tão distante dessa realidade, eu ainda temo só de pensar que o Brasil já esteve nessa condição. Ou pior, temo quando ouço os relatos de quem deseja que essa época retorne.

Pelo que pode ser observado no filme, toda a carreira de Simonal foi destruída por artimanhas políticas da ditadura e por agravantes como um “favelado” e pobre ter alcançado um estilo e padrão de vida como a dos brancos.

Uma fala que chama atenção é quando Wilson está depondo e ao citar as pressões e dificuldades do povo negro, o delegado lhe responde com um tom snobe -“Desculpe, eu não sou preto”.

Acompanhando a história de Wilson Simonal, a trama começa com um ar bem empolgante, divertido, e conforme as coisas vão se complicando, a trama vai tendo uma baixa. Talvez isso seja um problema para o espectador, mas acredito que isso tenha sido planejado, proposital, para que o fim tenha o impacto desejado.

Por fim, essa é uma ótima produção brasileira que merece atenção e sua visita aos cinemas para conferir. A estreia está marcada para 8 de Agosto.

Simonal

8

Prós
  • Fotografia
  • Sonorização
  • Caracterização do protagonista
  • Uso de imagens reais do cantor em trechos do filme
Contras
  • Trama se inicia entregando o fim da história
  • Momentos importantes da vida do cantor que não são bem desenvolvidos
  • Participações mal aproveitadas
  • Personagem de Ísis Valverde passa por três tipos de personalidades e situações diferentes que confundem o público
0