CríticaDestaqueFilmes

O Sol Também é Uma Estrela (The Sun Is Also a Star)

0

Diante de uma cidade cheia de histórias e acontecimentos, talvez seja difícil imaginar que uma garota cética, pragmática e cheia de certezas com Natasha Kingsley (Yara Shahidi) e o poeta enrustido, sonhador e romântico Daniel Bae (Charles Melton) se encontrariam, que ele salvaria sua vida e lhe daria um desafio totalmente fora do comum. Baseado do Best-Seller de Nicola Yoon, ‘O Sol Também é Uma Estrela‘ conta uma história onde é fácil se envolver com os personagens.

Natasha só teria mais um dia entes de ser deportada com sua família para Jamaica, e Daniel tem que decidir se vive o sonho de seus pais ou se vai em busca do seu próprio sonho.

Fugindo desse clichê de que a mulher está em busca de alguém que a salve, que lhe ame ou algo desse tipo, vemos aqui dois personagens bem opostos aparentemente. Enquanto Natasha vê seus pais conformados com sua situação, ela luta pelo o que quer. Já Daniel, tem pais que colocam grandes expectativas nele, esperando algo que ele mesmo não quer, mas não tem coragem de se opor àquilo que sua família exige. Mas, no período que estão juntos, nesse desafio de fazer Natasha se apaixonar por ele, Daniel começa a ver o que ele também tem algo para aprender com ela e isso faz com que a história ganhe corpo em certos momentos da trama.

Um dos pontos altos desse filme é sua trilha sonora. Nos primeiros atos temos a interação com a história de cada personagem, e nesses momentos tocam músicas que identificam tanto a cultura jamaicana, quanto a coreana, que nos faz entender que não estamos vendo a história de mais um romance estadunidense. O lance de tratar sobre imigração, imposições burocráticas e políticas também valem apena aqui. De forma leve e sutil, vemos que são dilemas que podem impactar na vida das pessoas.

Temos um momento em que a trama esfria um pouco, mas nada que tire a beleza do filme, e logo as coisas voltam a caminhar em um ritmo bom. O filme em si é mais calmo, mas com uma história que te faz querer chegar até o fim para ver o que realmente acontecerá com cada um deles.

Algo negativo desse filme é a rapidez que os conflitos de Natasha com sua família são mostrados e aparentemente resolvidos, enquanto no outro lado, com a família de Daniel, há um momento que parece haver alguma história por trás de seu irmão mais velho, o que deixa algumas pontas soltas e você fica esperando elas serem presas, mas logo o foco volta para a história principal.

Há alguns momentos que a química ente Yara Shahidi e Charles Melton não imprime muita verdade na trama. Apesar de Daniel dizer que ele e Natasha têm o “X factor”, faltou isso em alguns momentos.

Esse é um filme para você levar a pessoa que te faz bem, independente do ela seja na sua vida, a mensagem de esperança, amor, perseverança e reencontros vão te fazer pensar nessas coisas que vivem acontecendo a nossa volta.

produto-imagem

O Sol Também É Uma Estrela (The Sun Is Also a Star)

8.5

Natasha e Daniel se encontram e tem a chance de viver a história de amor mais improvável já descrita. De um lado alguém que não acredita no amor e do outro, alguém que não só acredita, mas também que fazer os outros acreditarem. O maior desafio é entender todas as dicas que o destino tem dado para que tudo bem para os dois em apenas um dia.

0