CríticaSéries e TV

Siempre Bruja (1ª Temporada)

0

Uma das principais vantagens da Netflix estar em nossas vidas é sua ostensiva empreitada para criar conteúdos diversificados. Não apenas os mais presentes na nossa sociedade atual, mas diversidade em todas suas camadas. Trazer conteúdos de diversos formatos, diferentes culturas, diferentes pessoas, é uma marca do trabalho da plataforma em criar conteúdos diversificados que agrade a todos. No ano passado já tivesse diversas primeiras séries Originais de países que são quase desconhecidos no mundo do entretenimento, e este ano já começamos com novas produções, e é o caso de Siempre Bruja, ou Sempre Bruxa, nova série original Netflix da Colômbia.

Em uma dramédia de fantasia histórica, Siempre Bruja segue a missão de Carmen (Ángely Gaviria), uma escrava de 1646, durante a Inquisição Colombiana, que também é uma bruxa, e condenada a fogueira tanto por sua bruxaria, quanto por ter se apaixonado pelo filho de um nobre, e é enviada em uma missão no futuro, para salvar seu amado que havia sido morte antes de sua condenação. Se adaptando em pleno século XXI, Carmen se depara com diversos contratempos em concluir sua missão, e acaba em perigo quando um bruxo das trevas caça outras bruxas e as mata queimadas.

Como uma série de ficção, ainda mais na temática de bruxaria, a trama encontra um equilíbrio entre a comédia, e os dramas metafóricos aos desafios da vida. Sou um grande fã da clássica série Charmed, e um dos pontos mais interessante desta série do final dos anos 1990, é a importância da relação das irmãs como mulheres e irmãs, do que bruxas e seres mais poderosos do mundo. E a comparação é iminente. E em Siempre Bruja essa mesma narrativa se tem ao longo de seus 10 episódios, mas diferente da série estadunidense, Siempre Bruja adiciona o elemento mais cultural e regional em que se ambienta, conquistando sua própria identidade.

E essa ambientação no litoral colombiano traz um reconhecimento maior para brasileiros, sendo presente as cores calorosas, as estampas floridas e um ar praiano típico de séries australianas, que se passam em sua maioria próximo as praias. Reforçando o ponto da ambientação, a série também apresenta diversos momentos na época da Colômbia colonial, e aqui há um sentimento de contenção, já que a maioria das cenas são em ambientes fechados ou limitados, mas toda a produção de arte apresenta uma riqueza em detalhes nas vestes e nos ambientes dentro da casa de seus senhores.

Apesar de várias semelhanças a clássicas séries sobre bruxas – vide Charmed clássica – Siempre Bruja tem sua própria personalidade, tanto pela atualidade dos temas, e fazer da série uma ponte sobre como eram tratadas as mulheres letradas na época da Inquisição Colombiana, em relação a atualidade, pode ser um ponto recorrente, mas é algo importante para a construção da personagem. E não apenas a Carmen domina a tela, como todos ao seu redor tem sua importância, e criam empatia para conhecermos sobre eles, desde a situação de assédio e chantagem de Alícia (Sofia Bernal Araujo), o relacionamento de Mayte (Valeria Emiliani) e Leon (Lenard Vanderaa) em volto de segredos, e a situação do relacionamento de Dany (Duban Prado) com o sumiço do irmão de Alícia, até a questão de luto e a amizade de Jhon Zi (Dylan Fuentes).

Apesar de sua forte presença no misticismo e ficção, a série acaba se esquecendo do lado policial investigativo, que inicia com um serial killer, parece ter seu desfecho, mas deixa em aberto o que realmente aconteceu com toda a parte investigativa, que se encerra sem uma conclusão plausível. E essa é apenas a ponta do iceberg de furo no roteiro, já que acreditasse que o vilão esteja envolvido, mas ao perceber pontos sobre linha do tempo, os erros aparecem a superfície, e a história se resolve de forma mais simples para concluir o arco da primeira temporada.

Siempre Bruja encanta de forma única, e se baseia na mitologia regional para construir sua história de empoderamento, e explora uma história de crescimento pessoal, e por mais que seja uma série com uma história em seus moldes mais adolescentes, a série entrega uma história interessante, mesmo com seus furos de roteiro. Siempre Bruja é encantadora e com personagens carismáticos, e que não são descartáveis, e deixa grandes pontos em aberto para continuar a história da bruxa do século XVII vivendo no nosso tempo.

0

Você Pode Gostar!