CríticaSéries e TV

Carmen Sandiego (1ª temporada)

0

“Onde está Carmen Sandiego?” Essa foi a pergunta que todos os fãs de desenho fizeram por anos. E foi o que Netflix fez para responder os fãs com o  Reboot da série original dos anos 90. Agora com novo estilo e uma história diferente que faz todos se perguntarem “Quem é a Carmen Sandiego?”. E realmente essa pergunta veio a cabeça sobre o que ela fez se tornar a lenda que conhecemos hoje. Ou para quem não conhece a Carmen como a geração que não assistia o desenho Tanto no SBT quanto na Globo.  

A começar pela história, Carmen Sandiego foi criada ainda pequena numa ilha ao sul da África e morando em uma casa ao lado de uma Agência secreta para ladrões V.I.L.E onde é treinada para cometer crimes e contrabandear obras ou descobertas roubadas. Ela é um pouco diferente do original onde não consta nenhum enredo parecido com isso. Carmen no passado tinha seu grupo especial de capangas que ajudavam ela nos roubos de artes e ela inteiramente foi uma ladra sem perdão aos olhos do mundo. Nesse reboot ela tem a impressão de ser a mesma porém, com um toque de justiceira e caridosa. Ao estilo robin hood que tira dos ricos para dar aos pobres. Ao saber a verdade da VILE, ela resolve roubar os prédios e ainda propriedades da agência que literalmente não pertenciam a eles. Ou seja, uma ladra roubando de ladrões sendo na verdade um grupo terrorista super moderno. No intuito de impedir os planos da organização de domínio mundial, Carmen segue a mesma linha de grandes conhecidos no mundo da espionagem como 007.

Os personagens da versão original são diferentes desse reboot. No entanto com a adição de novos elementos e uma nova história, eles passaram a ganhar papéis diferentes na nova série. Zack e Ivy que na série original eram detetives caçando a Carmen e sua Gangue, hoje são aliados a ela e a única equipe da esquiva ladra de vermelho. O Player ganhou uma versão animada e com rosto, diferente do original que antes era uma ator real fazendo o Player e não mostrava nada além de ser o mocinho. Seu papel passou a ser de um hacker e um parceiro da carmen. Sempre esteve do lado dela após sua entrada na agência onde foi criada. Quem assume os papéis de Detetives são legitimamente agentes da interpol que fazem a missão de capturar a anti-heroína. E a agência ACME da série original que tem Chief como organizador, também está presente na série nova. Agora futurista e com uma mulher assumindo o papel de chefe da agência. Todo o enredo da série foi modificado e boa parte do original se manteve nesta versão. O que é bom para quem não conhecia mas quem assistiu ao original teve que compreender que essa é uma história nova com um ponto de vista diferente. Agora a Carmen assume de vez o protagonismo da série em vez de ser a Coadjuvante. Algo que foi imaginado para o futuro em vez de uma vilã ser uma anti-heroína.

O principal destaque da série é o elemento que se tornou parte da história desde o lançamento do Jogo em 1985 que é a temática interativa com o público e com o Jogador que no original foi mostrado em parte live action por um ator. Essa temática é totalmente educativa e ensinava as pessoas geografia e todos os países e nessa série não podia faltar esse elemento que passou a ser bem mais imersivo e com detalhes incríveis de dicas e informações sobre áreas e regiões do país local onde a carmen estava. Isso também era visto na série noventista só que em vez de procurar para capturar a criminosa, você acompanha ela em aventuras para enfrentar os verdadeiros vilões. E claro despistar os detetives que estão em busca dela. Outro destaque também foi os traços feitos no desenho novo, realmente as cores e toda arte mostram mais imersão nos episódios. O trabalho se deve a Duane Capizzi que fez o seu trabalho em criar uma tematica vibrante em cores e tons mais balanceados. É o que se espera desse novo conceito da série que diferente do original se mostrou mais forte.

O desempenho da série não deixa a desejar em todo momento, ao assistir não se cria expectativa e toda hora você descobre algo diferente com mínimo despertar de curiosidade. Aliás trata-se de um Reboot da série original voltada para um público novo e essa série segue a modernidade dos dias de hoje. Não é a toa que a temática da série também acompanha isso. Pois o original costuma ser bem menos informativo do que o Reboot e claro não teria sentido se ele seguisse o mesmo contexto da primeira versão. Tudo que entendemos até agora é que ela é pouco infantilizada e mais jovem. E serviria como guia de estudo para quem faz provas tanto no fundamental quanto no médio. Isso seria ruim no caso? Não. É até aceitável que uma série misture a educação com diversão sendo bem mais interessante quanto aulas de geografia comuns em uma sala. Porém ela desvia seu foco em atrair o público infantil. Elá até estaria presente no catálogo do perfil infantil do streaming mas ela não mostra ser destinado para crianças. A razão seria na agilidade das cenas que remetem mais a um filme ou série de ação quanto a produção infantil. Outra parte fica por conta do enredo que mostra a real origem dela até se tornar quem conhecemos hoje e isso foi até profundo para um jovem do que para uma criança. Claro que isso não impede a história ser divertida para todos.

No geral, foi até uma boa experiência rever a personagem icônica dos anos 90 ganha nova vida em um serviço de streaming. De fato Carmen sandiego mostrou todo o seu melhor em ganhar mais destaque nas cores e imersão profunda em todo o seu visual. Sua temática foi bem mais interessante e mostra ser o seu destaque principal da série. E também a forma como foi trabalhado o enredo e todos os personagens não desanima quem assiste pela primeira vez a série quanto quem gostou da versão original de 1994. Contudo há pontos que valem ser observados, o enredo e agilidade dos personagens. São bons, no entanto não levam a crer que uma criança assista a série com a intenção de diversão. A parte educativa é marca registrada da série porém ela se adaptou ao mundo moderno para não perder o costume. E claro os personagens mudaram para dar mais interesse ao público. Parte do desempenho da série se deve a dublagem que ganhou destaque a todo momento na apresentação da série. Gina Rodriguez (Jane the Virgin) e  Finn Wolfhard (Stranger Things) foram muito bem dedicados aos papéis concedidos. Ela como a protagonista e ele como secundário. Uma série que provavelmente será o maior destaque do ano de 2019 e ganhar novos rumos além do esperado. E mesmo assim não deixa o público nostálgico que apesar de completar essa temporada, sempre vão desejar mais da série e provavelmente já vão fazer a mesma pergunta que é conhecida há 25 anos e hoje se repete com muito estilo.

Onde afinal está Carmen Sandiego?”

Carmen Sandiego (1ª temporada)

4.3

Uma série que interage e emerge o espectador sobre a icônica afanadora de vermelho.

0