0

Cuidado! Este artigo tem grandes spoilers de Vingadores: Ultimato

A Saga do Infinito foi finalizada em grande estilo. Vingadores: Ultimato resolveu a trajetória dos seis Vingadores originais, e deixou para os Vingadores que vieram depois e os heróis de outras equipes – ou que atuem solo – um destino em aberto para as próximas fase da Marvel nos cinemas.

A Fase 4, muito comentada desde o ano passado devido ao fim iminente da fase atual, tinha um nome de peso para ser a base dos próximos anos de história dos super-heróis: Guardiões da Galáxia. O grupo de deslocados foram a zebra do Universo Cinematográfico da Marvel, sendo um grupo totalmente desconhecido pelas massas, mas ganharam o carinho dos fãs pela visão que seu diretor deu para este grupo. E mesmo após escândalos e incertezas durante o último ano, Guardiões tem grandes chances ainda de ser o principal grupo que será a base para a nova fase da Marvel nos cinemas, mesmo que classicamente, seja seu último filme como um grupo.

Após os eventos de Vingadores: Ultimato aliado a diversos outros fatores, pode ser que o destino desta família bem não-funcional tenha se desviado um pouco do que fora planeja pelo seu diretor e roteirista, mas pode guardar um final com ares de um novo começo e introduzir novos personagens e arcos ainda inéditos dentro do MCU.

Guardiões na Gaveta

James Gunn e Guardiões da Galáxia Volume 3.

Primeiro precisamos entender o que aconteceu: durante a San Diego Comic-Con 2018, a primeira em que Disney não levou nenhuma novidade de seus filmes para o evento, foi a própria Disney que roubou a cena ao anunciar no segundo dia de evento a demissão de James Gunn, diretor e roteirista de Guardiões da Galáxia, e responsável por ter dado a personalidade que vemos nos personagens e o tom de space-opera em uma comédia com trilha sonora dos anos 1980.

O escândalo deixou a Marvel Studios com uma incerteza – pelo menos para seus fãs – que esperavam que após o quarto filme de Vingadores (até então, com o título não revelado), o grupo iria levar os filmes do MCU para o espaço, e vir deles uma possível nova ameaça grandiosa como Thanos foi para a Saga do Infinito. Com sua estreia adiada por tempo indeterminado, e o projeto engavetado, o futuro parecia sombrio para o grupo. Mas, James Gunn, como num estalar de dedos, retornou para o colo da Disney para continuar seu trabalho no grupo de deslocados – mas antes, ele tem outro compromisso com outro grupo de deslocados, o Esquadrão Suicida, da DC Comics/Warner Bros, que tomará grande parte da agenda de Gunn nos próximos meses.

James Gunn apenas começa a trabalhar de novo no roteiro – e principalmente, em sua trilha sonora – após concluir seu trabalho na Warner, e isso pode durar até 2020, sem uma previsão, colocando Guardiões 3 para estrear em uma estimativa bem baixa, no segundo semestre de 2021, o que poderia vir por último ou depois de encerrado a Fase 4, se contar os habituais seis filmes por fase, antes dos heróis se unirem por uma ameaça grandiosa. E esse posicionamento pode ajudar a cimentar o próximo grande vilão (se for os planos da Marvel Studios), ou simplesmente deixar o grupo voando independente dos grandes planos centrais.

O Fio Condutor da Nova Aventura

Marvel Studios’ AVENGERS: INFINITY WAR..Gamora (Zoe Saldana)..Photo: Chuck Zlotnick..©Marvel Studios 2018

Mas antes mesmo de sua demissão, Vingadores: Ultimato já havia sido gravado, e mesmo com regravações de certas cenas pós-demissão de Gunn, vimos um final em aberto para os Guardiões. Essa nova possibilidade pode guardar muitas vias para a história que, em teoria, encerra a trilogia destes heróis, e pode levar a diversas ramificações. Uma delas, e a que parece a mais óbvia após os eventos de Ultimato está relacionado a busca por Gamora.

Com Guerra Infinita tivemos o “sacrifício” que Thanos (Josh Brolin) fez, oferecendo Gamora (Zoe Saldanha) para obter a Jóia da Alma em Vormir. Especulado que em Ultimato os heróis desintegrados poderiam voltar, era uma incógnita o destino de Gamora, que não fora desintegrada pelas Jóias do Infinito, como ela voltaria para a história para compor os Guardiões da Galáxia Volume 3? E Ultimato nos deu a resposta para esse dilema: Gamora de 2014, antes dos eventos de Guardiões da Galáxia Volume 1, veio para o presente junto com Thanos e seu exército, e se uniu aos Vingadores contra Thanos.

Mesmo que este lance de Viagem do Tempo tenha uma lógica questionável, mas funcional em Ultimato, Gamora está zerada a todo o universo, como se ela não tivesse evoluído por tudo que vimos nos dois volumes de Guardiões e em Guerra Infinita. No final de Ultimato vemos Peter Quill (Chris Pratt) vislumbrando uma tela com a foto de Gamora com uma localização desconhecida. Como um bom namorado que perdeu sua amada pelo padrasto louco, a partir daí a trama de Guardiões 3 deve servir de gatilho para o último longa da equipe. E nesta busca, ele deverá reconquista-la.

Assim como Quill, Nebulosa (Karen Gillan), que se redimiu de seus atos contra Gamora e finalmente teve um desenvolvimento mais pessoal – mesmo que pequeno – em Ultimato, também será uma personagem chave que buscará pela irmã, uma vez que ela foi uma das Guardiãs sobrevivente ao estalar de Thanos. Em Ultimato vemos uma Nebula machucada por perder a única família que ela tinha conseguido em toda a galáxia após anos sendo um experimento de Thanos. E este primeiro sentimento só foi possível com a resolução da relação de irmandade entre Gamora e ela, e este sentimento será mais um combustível para o resgate de Gamora, não apenas perdida na galáxia, como perdida no tempo, e eles vão resgatar tudo que ela viveu desde 2014 até o momento de seu sacrifício, mas com novas jornadas.

Asgardianos da Galáxia

Marvel Studios’ AVENGERS: INFINITY WAR..Thor (Chris Hemsworth)..Photo: Film Frame..©Marvel Studios 2018

Se a busca de Gamora poderá ser a fagulha que iniciará toda a aventura de Guardiões 3, podemos ter alguns enredos adicionais que podem ser tratados em paralelo, podendo ou não ser o grande plot do terceiro longa. O primeiro deles é o mais novo integrante do grupo, que embarcou na Milano no final de Ultimato: o Deus do Trovão, Thor (Chris Hemsworth).

Sabemos que Thor foi e é ainda um dos três principais heróis que fomentaram o MCU na Fase 1, e depois de duas tentativas não muito agradáveis com o personagem, foi em seu terceiro filme, dirigido por Taika Watiti, que finalmente tivemos um bom Thor, que se manteve em Guerra Infinita e Ultimato. Ainda é incerto se Chris Hemsworth continuará no MCU como um protagonista, já que junto com Robert Downey Jr e Chris Evans, são os atores mais caros da Marvel Studios – este artigo foi escrito antes da notícia que o ator ainda tem um filme para encerrar seu contrato -, mas se o acerto tardio da personalidade do antigo Rei de Asgard pode ser uma boa desculpa para ainda usar este lado em mais um filmezinho.

Taika conseguiu em Ragnarok dar uma personalidade mais empática ao Thor, que é o Deus da Marvel, deixando o lado cômico do ator australiano emergir para Thor Odinson. Bem utilizado em Ragnarok, tendo um tom dramático se contrapondo ao comédia em Guerra Infinita, e abusar de uma comédia mais visual, mesclando com o ótimo timing do ator em comédia, e as épicas cenas de ação em Ultimato, inserir isso em Guardiões da Galáxia vai ser unir o útil ao agradável, além de abrir o leque para possibilidades de trazer ameaças cósmicas vindas de ambos.

Já conhecemos um pouco da comédia de Guardiões, e unir a comédia de Thor, que criou laços com os Guardiões e uma química em cena inegualável dará um suporte incrível para James Gunn – e quem sabe, Taika Watiti auxiliando – trabalha novas dinâmicas dos Guardiões com o Asgardiano. Em suma, a presença de Thor pode ser apenas uma ancoragem para a clássica história dos Vingadores, trazendo a nostalgia e a lembrança da era de ouro da Marvel nos cinemas (o que foi ontem), além de explorar ainda mais a rivalidade dele com Peter Quill, a amizade construída em Nidavelir dele com Rocket (Bradley Cooper) e Groot (Vin Diesel), e ainda ser uma espécie de primo distante que vem ajudar a família nas mais alucinantes aventuras pela galáxia restaurada e salvar um membro.

Adam Warlock, O Profeta da Marvel

Adam Warlock. Créditos: Marvel Comics

Ver o casulo de Adam Warlock em uma das cinco cenas pôs-creditos do Volume 2 deu ainda mais gás para os fãs do MCU que talvez veríamos Adam Warlock como o grande salvador da Saga Infinito. A relação intrínseca do personagem com as Jóias do Infinito são bem conhecidas para os leitores das HQs, aliado com as inúmeras teorias criadas por fãs e diversas informações de outros veículos de entretenimento divulgaram após a estreia de Guardiões da Galáxia Volume 2. Mas como bem visto em Ultimato, nada de Warlock com a Manopla do Infinito. Muito menos temos uma Jóia da Alma para ficar em seu sexto chacra, criando uma relação bem a que Visão (Paul Bettany) teve com a Jóia da Mente.

Mas o Messias da Marvel pode aparecer de outra forma, como bem definido, estamos falando de uma realidade das muitas existentes nas histórias da Marvel. Mesmo se baseando nas histórias, Adam pode chegar como um arauto contra os Guardiões, já que foi criado por Ayesha (Elizabeth Debicki), mas deve se tornar um aliado importante, como aconteceu com Yondu e Nebulosa. Vale ressaltar a introdução dos personagens que são nas HQs a formação original dos Guardiões, apareceram ao longo de Guardiões 2 e podem ser o gatilho para uma batalha de grandes equipes no espaço.

Além de tudo isso existe a possibilidade de introduzir outro personagem que já tem uma quase confirmação de ter um filme solo, e ele ou ela é Nova, um patrulheiro entre uma raça inteira que conhecemos em Xandar no primeiro longa, que pode ser inserido neste, ou apenas ser mais um elemento dentro deste filme, desconsiderando alguns enredos.

Marvel Studios’ AVENGERS: INFINITY WAR..L to R: Star-Lord/Peter Quill (Chris Pratt), Groot (voiced by Vin Diesel), Gamora (Zoe Saldana), Mantis (Pom Klementieff), Rocket (voiced by Bradley Cooper) and Drax (Dave Bautista)..Photo: Film Frame..©Marvel Studios 2018

Ainda fica a incógnita de saber quem será o vilão ou a vilã, ou simplesmente o/a antagonista. Como último filme da trilogia, conseguimos teorizar que uma ameaça de proporções maiores que um celestial egoísta e com questões de dominação é algo viável, mas que deve seguir os moldes do primeiro Guardiões: um antagonista que é um peão de uma vilão ainda maior, como Ronan era com Thanos.

Será que descobriremos o próximo grande vilão das próximas fases da Marvel nos cinemas dentro de Guardiões? Qual seria uma ameaça maior do que a ameaça populacional de Thanos? Caberia uma ameaça planetária como Galactus caberia em Guardiões? Para tanto, a Marvel já tem meio caminho andado, com a aquisição do personagem que estava com a 20th Century Fox, e com isso, dará maior embasamento para o inserir os personagens do Quarteto Fantástico no universo Marvel, já que Adam Warlock surgiu originalmente pela primeira vez nas HQs da família da editora, e ela tem grandes relações com o universo cósmico da Marvel.

Uma coisa é certa, Guardiões da Galáxia poderá sim ser o título que dará o alicerce para a nova fase, que terá vôos solo até se convergir com o grupo de deslocados que deverão buscar um membro que está perdido no tempo, com o auxílio do deus Asgardiano e ainda encontra um anti-herói artificial, que assim como Feiticeira Escarlate (Elisabeth Olsen), Yondu, Nebula, e praticamente todos os guardiões viraram de foras da lei para heróis dentro deste Universo Cinematográfico da Marvel.

0

Você Pode Gostar!